Carne no atacado se reforçando em R$ 9,30/kg e boi gordo a R$ 147/@, em SP, são sinais de melhora de exportações e pouca oferta

Publicado em 27/08/2018 13:09 1404 exibições
Douglas Coelho - Radar Investimentos - São Paulo-SP
Também mudanças operacionais nos frigoríficos, pulando dias de abate, ajudam estoques ficarem mais enxutos, somam para dar firmeza, mas ainda sob reservas do consumo interno limitado.

Podcast

Entrevista com Douglas Coelho - Radar Investimentos - São Paulo-SP sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

De acordo com o levantamento do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), as exportações de carne bovina registraram um bom desempenho nos embarques que já se refletiu em uma melhora nos preços da carne no atacado.

O sócio da Radar Investimentos, Douglas Coelho, ressalta que a melhora nas cotações da carne no atacado e a restrição de oferta é que está guiando o mercado. “Por mais que a exportação é uma via menor, se comparada com o mercado interno, ela ajuda a enxugar os estoques”, afirma.

Em função da oferta restrita, alguns frigoríficos não estão programando abates aos sábados e outros estão redimensionando as escalas. “Esse cenário começa a ter reflexo na arroba, sendo que a carcaça no atacado no final da semana passada estava ao redor de R$ 9,17/kg, e hoje, esta em torno de R$ 9,30/kg”, destaca.

Os indicadores do mercado físico e futuro para o boi gordo apontam um viés de alta mais firme. “Os contratos mais próximos estão com uma valorização. Ou seja, o mercado já precifica essa oferta mais limitada para o segundo semestre com esse dólar forte”, comenta.

Do lado da demanda, a tendência é que fique melhor nos próximos meses com o 13º salário, empregos temporários e festividades. “Isso colabora para mudar essa equação que estamos observando desde o primeiro semestre”, diz o analista.  

Em relação ao diferencial de base, o analista salienta que os diferenciais estão bem distintos e não tem um movimento coordenado entre as principais praças. “Quando olhamos o histórico de um ano, tanto Dourados/MS quanto Campo Grande/MS girava ao redor de sete e hoje está próximo de 4.5”, aponta.

Confira a tabela com o diferencial de base das principais regiões pecuárias

Diferencial de base das principais regiões pecuárias

Por:
Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário