Com o boi a R$ 165, pecuária da PB aguarda mercado de consumo mais sólido do que o efêmero crescimento de governos populistas

Publicado em 10/10/2018 11:57 e atualizado em 10/10/2018 14:04
1641 exibições
Entressafra fez o boi no estado, berço da genética da raça sindi, subir 10% nos últimos 30 dias. Oferta de outros estados, que costuma entrar nessa época, está atrasada, mantendo a @ positiva para os pecuaristas que vão para o semi ou confinamento.
Álvaro Borba - Pecuarista

Podcast

Entrevista com Álvaro Borba - Pecuarista sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

No estado da Paraíba, os pecuaristas estão aguardando o mercado de consumo ficar mais sólido com as novas mudanças no cenário político. O período de entressafra na região contribuiu para o preço da arroba ficar mais firme.

De acordo com o pecuarista, Álvaro Borba, a arroba do boi aumentou 10% nos últimos 30 dias no estado da Paraíba e está ao redor de R$ 165,00. “Melhorou bastante e está recuperando o preço de dois anos atrás em que estava nestes patamares”, afirma.

A expectativa era que os animais dos estados do Maranhão e do Tocantins começassem a chegar à localidade, e assim, anularia a alta da arroba na entressafra. No entanto, o pecuarista ressalta que as escalas de abate estão muito apertadas e a oferta está restrita.

Com o cenário político, os produtores rurais estão mais esperançosos com as mudanças do novo governo e que apoie a categoria. “Que os novos políticos reconheçam o nosso trabalho e a importância que a classe tem não só no nordeste como no Brasil”, comenta.

O desenvolvimento do agronegócio depende muito do mercado interno, especialmente no nordeste em que a pecuária não tem tanta demanda por exportação. “Teve uma demanda por exportação na nossa região, mas o crescimento foi sem sustentação e sem base econômica”, destaca.

Com relação aos custos de produção, este é um período sazonal em que os preços com a alimentação do rebanho aumentam. “Com essa alta da arroba, nós estamos na expectativa de que vai para remunerar os produtores”, completa.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário