Confinador de fêmeas vê os frigoríficos escalados com estoques próprios e do a termo; menores disputam a pouca oferta

Publicado em 12/11/2018 11:05 e atualizado em 12/11/2018 12:34
1442 exibições
Novilha a R$ [email protected], mais prêmio, o que estaria dando "alguma coisa". O boi ainda tem o segundo tombo a dar conforto aos grandes. Boi casado de R$ 10 a R$ 10,20.
Glauco Franco - Presidente Grupo Franco

Podcast

Entrevista com Glauco Franco - Presidente Grupo Franco sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Os grandes frigoríficos estão com escalas de abate programadas com estoques próprios e do boi a termo. Com isso, as indústrias menores estão disputando as poucas ofertas.

Segundo o presidente do grupo Franco, Glauco Franco, as referências das novilhas permanecem com os patamares de quatro anos atrás. “Os frigoríficos estão querendo pressionar a arroba, mas não estão conseguindo. Estou vendendo em São Paulo, novilhas ao redor de R$ 150,00/@, à vista para descontar o funrural”, afirma.

Com relação ao segundo giro do confinamento, a liderança destaca que ainda não terminou e que tem indústrias frigoríficas com escalas de abate confortáveis com dez dias úteis. “Principalmente, os players como a JBS, Marfrig e Minerva que tem boi deles confinados e de terceiros que eles fazem as travas. Então, até o final de novembro nós vamos essa pressão de baixa nas cotações do boi gordo”, comenta.

No mercado da cria, Franco destaca que nos estados do Goiás e do Mato Grosso está muito bom para comprar com boas ofertas. “Já no estado do Pará está mais difícil de fazer a compra, pois tem muitas fêmeas na localidade e estou sentindo mais dificuldade”, diz.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário