Com rebanho encurtado pela agricultura e pastos castigados desde dezembro, boi em Ponta Porã (MS) transita na faixa de R$ 145/@

Publicado em 11/01/2019 12:16 e atualizado em 11/01/2019 16:43
1591 exibições
Pecuária de corte perdeu 30% nos últimos anos, chegando em torno de 150 mil cabeças, mas a agricultura trouxe ganhos como ração, integração produtiva e mais tecnologia. Bezerros para compra vem mais do Pantanal.
André Cardinal Quintino - Presidente do Sindicato Rural de Ponta Porã/MS

Podcast

Entrevista com André Cardinal Quintino - Presidente do Sindicato Rural de Ponta Porã/MS sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Na região de Ponta Porã/MS, as pastagens estão sendo castigados pela a estiagem desde dezembro e o boi está cotado ao redor de R$ 145,00/@. Contudo, as escalas de abate estão curtas por conta da baixa oferta de animais.

De acordo com o Presidente do Sindicato do município, André Cardinal Quintino, nos últimos anos teve uma redução de 30% na pecuária em função da entrada da agricultura e a qualidade dos pastos. “Apesar de estarem perdendo espaço para o cultivo de grãos, muitos pecuaristas continuam no ramo por residir na região”, comenta.

O município conta com um rebanho de 150 mil cabeças, na qual muitas propriedades adotam o sistema de cria, recria e engorda. “Na nossa região está entrando muito gado de cruzamento que são destinados aos confinamentos para aproveitar esse período da agricultura”, comenta.

A liderança destaca que os produtores rurais devem investir em terras que são propicias para o cultivo de grãos. “Isso é natural, a maioria dos agricultores tradicionais estão mantendo a pecuária junto com as lavouras de grãos”, ressalta.

Atualmente, as referências para o boi gordo estão ao redor de R$ 145,00/@, a prazo com quinze dias. “Aqui na cidade tem um frigorífico da JBS, mas também tem indústrias frigoríficas próximos em um raio de 100 a 200 km. Apesar da dificuldade, temos vários lugares para abater”, salienta.

Do lado da demanda, Quintino acredita que deve se estabilizar somente no final de fevereiro. “Porém, o ideal seria em maio em que gado gordo e de pasto estão prontos para o abate. Depois dessa estiagem, a qualidade do capim não está boa e o animal vai começar a engordar agora”, conta.

Apesar do grande número de abate de fêmeas no ano passado, ainda não houve reflexo de falta de matrizes no mercado. “O risco de isso acontecer é grande, mas vai influenciar nos preços. Nós temos esse problema do rebanho ser pequeno e do pecuarista abater muitas fêmeas”, diz a liderança.

Contudo, a liderança salienta que o setor pode ter bom desempenho nos próximos anos com a retomada de investimentos. “Com um governo instável ninguém investe nada, agora este cenário está mudando. Muitos produtores estão animados com a volta de novas unidades frigoríficas na região”, completa.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário