Em Alta Floresta/MT, muita oferta e pouca demanda deixa referência de preço do boi em R$ 135/@ no balcão

Publicado em 05/04/2019 13:01 e atualizado em 05/04/2019 17:17
984 exibições
Escalas esticadas para 2 semanas mostram a folga da indústria. Diminuiu a cria e a reposição subiu. Produtores criticam custo entre impostos e taxas por abate no estado, que chega a R$ 43/animal. TecnoAlta, evento de 25/25 de abril, com palestrantes de vários calibres, vai levar conhecimento em tecnologia aos produtores do Norte do MT.
Walmir Coco - Presidente do Sindicato Rural de Alta Floresta

Podcast

Entrevista com Walmir Coco - Presidente do Sindicato Rural de Alta Floresta sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Na região de Alta Floresta/MT, as cotações do mercado do boi estão firmes e os frigoríficos não estão enfrentando problemas para compor as escalas, sendo que a região é muito forte na pecuária. Atualmente, as referências para balcão estão próximas de R$ 135,00/@ com escalas para daqui duas semanas, na qual demonstra um conforto da parte das indústrias.

De acordo com o Presidente do Sindicato Rural da localidade, Walmir Coco, as referências ainda estão longe de ser um valor que remunere o produtor. “Como a região é forte neste setor ainda temos animais e as indústrias frigoríficas estão muito confortáveis. E o frigorífico que manda aqui em preço é o da JBS”, comenta.

A liderança destaca que com a integração da lavoura-pecuária aumentou a produtividade de carne por hectare com menos custo de produção. Com relação das pastagens, as precipitações se prolongaram com intensidade acima do previsto e vai contribuir na qualidade do pasto por mais tempo. “A entressafra vai ser mais curta ao que tudo indica.  

Durante os dias 25 a 27 de abril, o sindicato irá promover a 3ª edição da Tecnoalta que tem como objetivo compartilhar conhecimentos e soluções tecnológicas para o setor produtivo rural. Além disso, o evento vai contar com as palestras do José Luiz Tejon e o do João Batista Olivi.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário