Pastos altos não permitem segurar o boi em Confresa/MT para não ser classificado como vaca e JBS amplia domínio

Publicado em 25/04/2019 13:01 e atualizado em 25/04/2019 15:18
829 exibições
Animais terminam rapidamente com capim de qualidade e se passarem de [email protected] preço cai na venda, como vaca. R$ 138/30 dias boi inteiro a JBS pagou hoje (25). Escalas curtas por sobra de oferta. Monopólio do JBS se estende por um raio de 500/600 kms.
Biraja Capuzzo - Presidente do Sindicato Rural de Confresa/MT

Podcast

Entrevista com Biraja Capuzzo - Presidente do Sindicato Rural de Confresa/MT sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Na região de Confresa/MT, os pecuaristas não conseguem segurar os animais nos pastos por muito tempo já que podem da arroba ideal para abate e serem ser classificados como fêmeas. o boi é abatido com 21 a 22 arrobas. De acordo com o Presidente do Sindicato Rural da localidade, Biraja Capuzzo, o boi é abatido com 21 a 22 arrobas.

O abatedouro mais próximo da região fica a 500 km de distância e a oferta neste período costuma ser elevada. “Para se ter uma ideia, as indústrias frigoríficas tem abatido em média 1.100 animais por dia e com escalas entre 4 e 5 dias úteis. Por outro lado, as perspectivas de mercado é pequena devido a queda no consumo”, afirma.

Atualmente, as referências para o boi inteiro estão ao redor de R$ 138,00/@ a prazo para trinta dias. No caso do boi capão, os valores estão próximos de R$ 140,00/@ a R$ 142,00/@, mas não tem negócios já que poucos pecuaristas castram os animais na localidade.

“Eu realizado a castração de pelo menos a metade do meu rebanho, mas eu acompanho o mercado do boi no Mato Grosso do Sul em que muitos pecuaristas castram os animais”, comenta.

A liderança salienta que se tivesse um incentivo e uma concorrência maior de outros frigoríficos operarem no município. “Enquanto tiver essa barreira, nós vamos ficar sofrendo aqui com apenas uma indústria frigorífica. Na nossa região, tem muitas empresas fechadas”, destaca.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário