Mercado Futuro do boi fecha contrato de R$ 200,00/@ para outubro/2020 e tem nova dinâmica com aumento de volatilidade e liquidez

Publicado em 06/11/2019 13:16 e atualizado em 06/11/2019 15:42
4114 exibições
Pecuaristas evitam pressão de oferta e adotam comercialização compassada para os animais prontos para abate
Douglas Coelho - Sócio da Radar Investimentos

Podcast

Entrevista com Douglas Coelho - Sócio da Radar Investimentos sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Na Bolsa Brasileira (B3), o contrato futuro Outubro 2020 registrou negócios acima dos R$ 200,00/@, na qual esse valor é um marco histórico para a pecuária brasileira. Outro fator histórico para o mercado foi o volume exportado no mês de outubro que embarcou um volume de 160,1 mil toneladas de carne bovina in natura.

De acordo com o Sócio da Radar Investimentos, Douglas Coelho, os preços da arroba estão mudando de patamar. “As outras culturas também tiveram as suas correções na Bolsa Brasileira, e agora, chegou o momento da pecuária. Essa correção está ocorrendo agora, mas estamos no meio de uma euforia e cravar um preço é categórico demais”, afirma.

No horário da entrevista, o contrato outubro/20 registrava 1.430 negociações em aberto e a tendência é que esse número cresça com base na dinâmica dos últimos dias. “Nós vimos na manhã da segunda-feira variações de R$ 3,00 e que não acontecia há muito tempo. Além disso, nós temos um aumento da volatilidade com a liquidez que abre espaço para a entrada e saída de operações”, comenta.

No caso do mercado físico, o cenário é de dificuldade das indústrias em compor as escalas de abate com animais terminados. No entanto, as indústrias que conseguem receber um pouco mais pela a venda de carne e está repassando esse valor na arroba, isso está se refletindo nos indicadores.

“No estado de São Paulo, as referências estão ao redor de R$ 173,00/@ para o animal comum. Porém, têm falhas nas programações de abate todos os dias da próxima semana e as empresas estão ofertando preços maiores”, destaca.

Por: Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário