Contrato de outubro para o boi gordo na B3 trabalha no maior patamar do ano com foco nas exportações do 2º semestre

Publicado em 14/07/2020 12:53 e atualizado em 14/07/2020 17:35 3385 exibições
Caio Toledo Godoy - Consultor em Gerenciamento de Riscos da StoneX
Mercado físico tenta manter a estabilidade dos preços da arroba apesar das pressões negativas

Podcast

Entrevista com Caio Toledo Godoy - Consultor em Gerenciamento de Riscos da StoneX sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Os preços futuros do Boi Gordo têm trabalhado com movimento de alta na Bolsa Brasileira (B3), na qual teve valorizações expressivas nos últimos dias no contrato Outubro/20. Já o mercado físico segue trabalhando com estabilidade nos preços da arroba mesmo com as indústrias pressionando as negociações.

De acordo com o Consultor em Gerenciamento de Riscos da StoneX, Caio Toledo Godoy, o contrato outubro/20 trabalha no maior nível de 2020. “Nós só vimos os mesmos valores no final do ano passado, o que é muito bom para o pecuarista. Podemos dizer que três pilares estão contribuindo para os ganhos, sendo que o primeiro é a baixa oferta de animais, as exportações e a demanda interna que não tem pesado tanto”, relata.

Com relação à demanda externa, o consultor aponta que o agravamento das relações entre os Estados Unidos e a China pode fazer com que os compradores chineses busquem pela a carne brasileira. “Se tivermos um agravamento entre os EUA e a potência asiática podemos ser beneficiados em todas as proteínas animais”, aponta.

As exportações aquecidas ajudam a controlar os estoques de carne no mercado interno e os preços no atacado que seguem sustentados. “Os preços das proteínas em geral estão se sustentando no atacado, mas no varejo os valores estão em um movimento de baixa. Esse é o grande ponto de atenção em que o consumidor final não está respondendo da forma que ele deveria responder”, destaca.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário