Carne bovina no atacado tem recuo de 1,4% na semana com menor demanda na segunda quinzena do mês

Publicado em 23/09/2020 12:46 e atualizado em 23/09/2020 15:22 1518 exibições
Thayná Drugowick - Analista de mercado da Scot Consultoria
Apesar do recuo na carne, cotações da arroba seguem firmes nas principais praças pecuárias

Podcast

Entrevista com Thayná Drugowick - Analista de mercado da Scot Consultoria sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

As referências de preços para a carne bovina no atacado paulista registraram um recuo de 1,4% na semana diante da baixa demanda com a segunda quinzena do mês. Por outro lado, as cotações da arroba seguem sustentadas ao redor de R$ 250,00 nas praças paulistas.

De acordo com a Analista de mercado da Scot Consultoria, Thayná Drugowick, as programações de abate atendem uma média de 4 a 5 dias úteis nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. “Nas regiões em que as escalas estão com até 5 dias úteis já temos preços andando de lado. Na última semana, nós observamos um aumento gradual de oferta de animais confinados o que permitiu esse alongamento das programações de abate”, afirma.

Na próxima semana, as indústrias frigoríficas vão começar a se preparar para atender o consumo da demanda interna que costuma aumentar no início do mês com o pagamento dos salários. “A tendência é que os preços no atacado fiquem estáveis ou com uma leve alta em função do auxílio emergencial colaborando, mas ainda é um pouco cedo para falar”, ressalta.

Do lado da demanda externa, a analista aponta que as projeções indicam que o volume exportado em Setembro deve ter um incremento de 11% frente a setembro do ano passado. Já no faturamento, a expectativa é um incremento de quase 7% se comparado os dados do mesmo período do ano passado.

O volume exportado na terceira semana registrou um recuo de quase 12%, frente aos dados da segunda semana de setembro. “Nós acreditamos que o dólar estava ao redor de R$ 5,30 pode ter colaborado para essa queda, mas agora o dólar está precificado a R$ 5,50”, relata.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário