Arroba do boi reage e recupera patamar anterior aos casos de EEB no Brasil, mas a dúvida é se retomada se sustenta só com demanda interna

Publicado em 17/11/2021 12:18 e atualizado em 17/11/2021 15:57 3733 exibições
Fernando Henrique Iglesias - Analista da Safras & Mercado
Dúvidas sobre o poder de compra do consumidor brasileiro, estoque de carne nos pátios e redução das margens das indústrias podem limitar novas altas para arroba, alerta Safras&Mercado

Podcast

Entrevista com Fernando Henrique Iglesias - Analista da Safras & Mercado sobre o Mercado do Boi Gordo

Logotipo Notícias Agrícolas

O mercado do boi gordo está recuperando os patamares de preços observados antes da divulgação dos dois casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina, conhecida como doença da vaca louca. No estado de São Paulo, a referência do boi gordo está próxima de R$ 305,00/@ a R$ 310,00/@ diante da oferta limitada de animais para o abate. 

De acordo com o Analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o movimento de alta nos preços da arroba está sendo observado em outras praças pecuárias. “Nós estamos acompanhando o movimento de valorização da arroba no Tocantins, Mato Grosso e Goiás. Agora, a grande questão é saber se o consumidor brasileiro vai ter a capacidade de absorver os reajustes que vão ser repassados para a carne bovina”, destacou.  

Com a oferta restrita de animais, as programações de abates não conseguem evoluir e atende uma média de 2 a 3 dias úteis. “Os frigoríficos estavam mantendo as escalas em patamares menores à espera da retomada da China às compras. Acredito que os preços estão próximo de um teto já que o mercado interno não deve sustentar essa alta sozinho”, informou

Os preços da carne bovina no atacado começaram a reagir nesta semana, em que está precificado em R$ 18,30/kg a R$ 18,50/kg. “A rentabilidade das indústrias seguem apertadas em que contabilizando todos os derivados do animal chegam em R$ 303,00/@”, apontou.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

2 comentários

  • Antonio Sergio Garcia Franca - SP

    Isto mostra a força da pecuária brasileira.

    Deixa os chineses "a verem navios", que comprem carne em outros mercados a custos muito maiores.

    Temos de ser donos do nosso mercado e soberano nas negociações.

    Que sejam felizes com seus parceiros e que consigam alimentos pra sustentar a demanda que possuem.

    6
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Mercado do boi gordo: Nesta semana, negocios a 320 /arroba na regiao sul de sao paulo

      2
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Lembre-se da tradição do mercado nesse período de novembro. Vamos aguardar os próximos capítulos. Estou numa confiança danada, mas…

      3
    • Geraldo Emanuel Prizon Coromandel - MG

      O Brasil precisa é de contratos mais justos que não sejam rompidos unilateralmente ao bel prazer. Uma vez esclarecida a questão o retorno do mercado deveria ser automático independentemente de autorizações.

      0
  • Raone Cotrim Formosa

    "Arroba do boi reage...MAS, A DÚVIDA" ... Eu te pergunto colega produtor, há ou não há parcialidade em todas as notícias publicadas. O Aleksander tenta de todas as formas gerar dúvidas no mercado do boi. A manobra de setembro e outubro realmente deu certo por um tempo, mas no longo prazo a verdade sempre aparece e o que estamos vendo é uma baixíssima disponíbilidade de gado pronto. Até o momento não tivemos nenhuma alta no mercado do boi, apenas uma RECUPERAÇÃO de preços. Bastou essa leve recuperação para o jornalista começar a falar das margens dos frigoríficos e da capacidade e consumo da população. Quando derreteram a @ do boi o produtor segurou a bomba sozinho. Vi muitos poucos jornalistas falando sobre os prejuízos absurdos que o confinador amargou.

    Gosto muito do notícias agrícolas, mas a parcialidade tem sido corriqueira.

    2
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Jornalista tambem ê comedor de picanha, entao ele nao está e nunca estará do lado do confinador----

      1
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Eu realmente, as vezes, não entendo alguns comentários feitos pelos produtores… Mas o mercado não está realmente volátil?! Qual a certeza que vocês tem de preços melhores nos próximos meses? Os questionamentos podem nos possibilitar uma visão mais completa das informações e cenários? Quem aqui, que cria gado, não sabe que do dia 05/11 a 05/12 de todo ano, é um período que falha de oferta de gado? As vezes,esse período, dura no máximo uma semana… já aconteceu. Portanto, analisem bem as variáveis e cenários. Fiquem atentos. Não caiam no conto do vigário nesse período do ano. Espero sempre o melhor para a nossa atividade, mas não desfaço das tênues possibilidades do mercado da carne ou das commodities no geral. Eu acho que devemos analisar cenários com visão holística.

      12
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Sr Aloísio há mais de um ano que soja/milho deram um pulo no preço ... então o confinado não pode reclamar porque o aviso faz tempo que foi dado

      3
    • Adilson Dilmar Dudeck Cascavel - PR

      Sempre houve uma sabotagem nas notícias para derrubar os preços. Na soja foi uma "previsão" de uma supersafra nos EUA, falhou. No boi temos a "vaca louca de MG", agora dizem que teremos uma supersafra de milho e soja mas esqueceram de avisar o clima.

      Porém, estamos amadurecendo. Por aqui mesmo já aproveitei muitos conselhos dos colegas. Acho que deveríamos até ampliar isso, evoluir e quem sabe adquirir mais uns "cabeças pensantes" com mais tarimba nessas fake News que derrubam preços. Pois, depois que derrubam, só recuperam, nunca sobe. Se olhar os preços em dólar, na verdade caiu muito. Principalmente a soja que já atingiu 34 dolares.

      3
    • Hilario Bussolaro Cascavel - PR

      Sr Raone, muitos da mídia, seja ela qual for, apenas reproduz o que e publicado por outros meios de comunicação ou órgãos de pesquisa de mercado ...., semana passada, fui de Cascavel pra a Ribeirão Cascalheira MT, rodei uns 4.500 km no total e mais uma vez digo a vcs as pastagem estao muito degradadas e o gado está cada dia diminuindo neles... sem contar que só tem nelore e alguns tucura ... aliás, nunca vi tantos gado misturado, passei por dois confinamentos médios esses sim um gado muito bom mas só vi dois, o que vejo e que vai ter muito problema de reposição já que não se vacas nos pastos. O pessoal do gado eu acho que vai ganhar mais por um bom tempo a final sem muita oferta o preço tende a se manter, quem dera que nós do agro começasse a fazer igual diminuir a produção fazer igual antes onde era plantado milho e soja na fazenda dividindo a área em vez de arriscar essas safrinha que na maioria da prejuízos além de financeiro a repetição de culturas sem a rotação mais diversificada a qual sabemos que preserva e melhora o solo. Sem mais

      2
    • Ronaldo Brejauba goiania - GO

      Margem dos frigorificos? Fala serio! Quanto mais ferrados os pecuaristas, pior pro consumidor. Preço nao eh margem de lucro.

      1
    • Hilario Bussolaro Cascavel - PR

      Sem dúvidas as notícias jogadas na mídia por espertos sempre causam pânico e prejuízos aos produtores mas o por que disso eu vejo que o agricultor está muito adiantado na comercialização dos produtos tanto na venda como na compra principalmente na venda atravéz dos contratos esses que garante os custos da.lavoura, aí ele conta com a sobra pra negociar, o problema e que isso garante aos compradores a certeza de abastecer os estoques e assim eles controlam o mercado, quando pararmos de fazer os contratos futuros e fazer as loucuras de safrinha jogando com a sorte acredito que vai deixar os especuladores no escuro e quem pagar mais leva só assim as margens de.lucro poderão voltar, e quanto ao gado pelo que vi em viagens esse ano os pastos estão vazios e muitas áreas migrando pra lavoura acredito que repor esses plantei vai ficar difícil e muito carro, sem contar que as pastagem estão muito degradadas por falta de investimento, isso porque o retorno e muito demorado para os pecuarista, só os mais grandes devido ao alto giro tem um retorno melhor isso mostra a grande consentracao de áreas a poucos no agro no geral

      0
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Na minha região os pastos estão verdes, vigorosos e lotados. As aptidões continuam na mesma, aonde é lavoura continua lavoura, aonde é pecuária, continua pecuária.

      0
    • Adilson Dilmar Dudeck Cascavel - PR

      Na minha região (Goioxim-Pr), onde havia grandes áreas de pastagem, todas piqueteadas, muitas com grama Ermate, hoje estão com soja e milho, mais ou menos 50/50. Para não apostarem tudo no milho, dividiram com soja.

      0
    • Raone Cotrim Formosa

      Scot consultoria sempre defasada com as cotações do boi. Delay de no mínimo 10,00 por @. Engraçado que só acontece quando a cotação está subindo, quando estamos em viés de baixa as correções nos valores são perfeitos. "Pra baixar cotação é Tigrão, pra subir é TchuTchuca"

      0