Itaú BBA traça cenários de curto, médio e longo prazos para arroba do boi. Volta da China segue como ponto crucial da análise

Publicado em 08/12/2021 12:32 e atualizado em 08/12/2021 15:50 2495 exibições
César de Castro Alves - Consultor de Agronegócio do Itaú BBA
Depois de registrar spread positivo (boi casado : boi gordo) em outubro e novembro, frigoríficos voltam a ficar no vermelho neste início de mês

Podcast

Mercado do Boi Gordo

Logotipo Notícias Agrícolas 

Após valorizações significativas nas últimas semanas, os preços do boi gordo começaram a acomodar nos patamares de R$ 317,00/@ a R$ 320,00/@ no estado de São Paulo. Segundo o Consultor de Agronegócio do Itaú BBA, César de Castro Alves, os pecuaristas devem negociar os animais com mais tranquilidade, já que podem remanejar os animais nos pastos. 

Ao longo deste ano, o spread entre o boi casado e o boi gordo se manteve negativo em 3% e 4%. “A carne bovina permaneceu mais barata que o boi gordo até outubro, somente quando os preços da arroba começaram a recuar com mais intensidade é que o spread ficou positivo em 6,5%. Só que na parcial de dezembro, o spread já voltou para  menos 3%”, informou. 

O consumo de carne bovina deve registrar o menor nível dos últimos 17 anos em 2021. “Nós acreditamos que a queda no consumo em janeiro nem afete os preços do boi gordo no início do ano, pois o mercado está acostumado com a queda no consumo”, ressaltou. 

Para o próximo ano, a demanda chinesa é crucial para que o mercado continue sustentado. “O ideal é que a China volte a comprar a carne bovina brasileira em meados de fevereiro já que eles não conseguem substituir o volume que importa do Brasil para outro fornecedor”, comentou.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário