Em meio à Terceira Onda, cafeicultura brasileira aposta na diferenciação e sucessão familiar

Publicado em 27/12/2018 14:09 e atualizado em 27/12/2018 17:19
1365 exibições
O Brasil aumentou em mais de 20% a exportação dos cafés diferenciados em 2018. A aposta na sucessão familiar é um dos pontos responsáveis por esse resultado no maior produtor e exportador do grão no mundo. Paula Varejão viajou diversos países no "Tá na hora do Café" e compartilha suas experiências e aponta as tendências que devem movimentar o mercado em 2019.
Paula Varejão - Jornalista e Apresentadora de TV

Podcast

Em meio a Terceira Onda, cafeicultura brasileira aposta na diferenciação e sucessão familiar

Download

LOGO nalogo

A cafeicultura brasileira está apostando na produção sustentável de cafés especiais e na sucessão familiar para ter produção com mais qualidades. Neste ano, o Brasil aumentou as exportações de cafés diferenciados em torno de 20%.

De acordo com a Jornalista e Apresentadora de TV, Paula Varejão, o café é uma bebida muito relevante para a nossa história, economia e cultura. “O que tento levar para as pessoas é conhecimento para que elas tomem os melhores cafés que pode ser uma experiência sensorial, sendo que muitos não sabem disso”, comenta.

Para divulgar a cafeicultura de uma forma em geral, a jornalista realizou diversas viagens em que notou as diferentes formas de consumo da bebida. “Nós estamos vivendo a terceira onda do café é a preocupação com a sustentabilidade, porém o Brasil ainda está engatinhando nesse processo”, afirma.

Em relação ao consumo de cafés especiais, Varejão destaca que está aumentado principalmente nas gerações mais novas que estão preocupados com a rastreabilidade do que consumem. “Eu acho que essa nova geração é mais abertos a novas experiências e tentar métodos de preparos diferentes”, pontua.

Produzir cafés especiais é uma forma de agregar valor à propriedade e tornar o produto mais rentável. “Uma coisa que eu vejo é que viver do café commodity está difícil e fazer qualidade é uma maneira de agregar valor à produção.  Para assim, conseguir participar de concursos e enviar para cafeterias” diz.

Após conhecer os trabalhos de alguns filhos de produtores que faziam café conilon de qualidade, Paula decidiu implementar na propriedade da sua família e já conta uma marca própria de café. “Quando fiquei em segundo lugar em um concurso na Bahia, fiquei com vontade de lançar um café e misturar com outros cafés”, comenta.

Tags:
Por: Jhonatas Simião e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário