A exuberância dos Ipês amarelos deixa os cafeicultores desconfiados; pode ser sinal de seca!

Publicado em 02/09/2019 14:39 e atualizado em 04/09/2019 08:31
1447 exibições
As frentes frias deste final de semana ainda não estão chegando às terras altas do Sul de Minas; os cafeicultores estão ressabiados...

Podcast

A exuberância dos Ipês amarelos deixam os cafeicultores desconfiados; pode ser sinal de seca!

Download

LOGO nalogo
As previsões climáticas do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) para os próximos três meses no estado de Minas Gerais está gerando uma grande preocupação para os produtores das regiões altas do sul de Minas. O Notícias Agrícolas conversou com Osvaldo Bachião Filho – vice-presidente da Cooxupé, para entender as estimativas e perspectivas de mercado diante desse cenário. Ele e seu pai são pequenos produtores em Nova Rezende e se mostram inquieto comas previsões meteorológicas. 

As previsões indicam que a região poderá passar por um período de seca e, caso isso aconteça, o cenário da cafeicultura (que já não foi muito positivo na última safra por conta de chuvas localizadas em alguns pontos e a falta delas em outros), também pode apresentar números abaixo do esperado na safra 2020. “Isso deixa a gente muito preocupado, pois aqui é a principal região que produz café no Brasil”, diz Osvaldinho (como é conhecido o vice´presidente da maior cooperativa de cafeicultores do mundo).

Ainda falando sobre a última safra, Osvaldo conta que a região de Nova Resende/MG sofreu a pior geada desde 1985. “São terras altas, acima de 1.100 metros e queimou bastante nos planaltos. Queimou lavoura nova, os plantios dos últimos anos, e lavouras que estavam preparadas para produzir em 2020”, disse.

Segundo o vice-presidente, o mercado de café estimava uma safra de 70 mil sacas para 2020, número que já é considerado muito alto diante da atual realidade. “Tudo indica que a expectativa está totalmente fora da realidade. As lavouras não estão boas, estão estragadas para época do ano”, explica.

De acordo com ele, a quebra já era esperada, mas caso a seca de fato aconteça, Osvaldo ainda não sabe dizer o que poderá acontecer com as lavouras. “Já tem muita lavoura dando flor, o que não é bom, é muito cedo”, afirma. Segundo ele, caso o clima seja estável a colheita dessas floradas devem acontecer entre março e abril, o que pode resultar nos mesmos problemas deste ano: muito café no chão e qualidade abaixo do ideal.

Em contrapartida aos problemas climáticos, Osvaldo explicou também que o mercado do café sempre tem alta quando há seca. “Todos os picos de preços dos últimos 20 anos estão relacionados à seca. Quem sabe o mercado não vem com uma nova expectativa”, afirma.

Embora reconhecendo os avanços da tecnologia, Osvaldinho não deixa de ouvir os conselhos dos mais experientes, que, vendo a florada excepcional dos Ipês amarelos neste 2019, alertam: "Flor do Ipê só cai em terra molhada"... esse ano, porém, as flores de amarelo intenso estão caindo no pó... seria um aviso de mais tempos secos??? (João Batista Olivi).

 

Ipês amarelosIpês amarelosIpês amarelosIpês amarelosIpês amarelos

gráfico NY com historico
gráfico NY com comentario

 

Tags:
Por: João Batista Olivi e Virgínia Alves
Fonte: Notícias Agrícola

0 comentário