Café: Apesar de altas, cenário é preocupante para exportações e consumo mundial

Publicado em 20/03/2020 16:47 e atualizado em 20/03/2020 17:59
789 exibições
Estoques dos Estados Unidos já têm baixa de 370 mil sacas, fator que é positivo para negócios em Nova York
Fernando Maximiliano - Analista de Café – INTL FCStone

Podcast

Entrevista com Fernando Maximiliano - Analista de Café – INTL FCStone sobre o Mercado do Café

Download

LOGO nalogo

A semana do café na Bolsa de Nova York (ICE Future US) foi agitada, com movimentações expressivas e o analista de mercado Fernando Maximiliano, da FC Stone, destaca que a volatidade do mercado é motivada pelo Coronavírus, os preços do petróleo e também pela preocupação com as exportações e consumo mundial da bebida. 

Apesar da semana intensa, o mercado do café em especial registrou várias sessões de altas, indo contra as demais commodities que mais uma vez registraram quebras expressivas nas bolsas. "A gente pode citar o balanço entre oferta e demanda, o café árabica está enfrentando um período apertado", destaca. 

Fernando explica ainda que as exportações brasileiras apresentaram baixas em comparação com o ano passado e os estoques americanos de café registraram baixa de mais de 370 mil sacas de café. "Então os estoques certificados da ICE e os demais fatores mostram que está mais difícil originar o café no mercado", comenta. As baixas, segundo o analista, ficaram acima do que era esperado pelo setor cafeeiro. 

Outro ponto importante para o mundo, são os embarques de café que podem ser afetados devido a crise do Coronavírus. Fernando destaca que o pedido de paralisação dos trabalhadores do Porto de Santos, traz ainda mais incerteza pro mercado. "Além disso especula-se muito que existe um problema com os containers que ficaram parados na China, além disso existe as medidas que os governos estão tomando em relação à doença", analisa. 

No pior dos cenários, caso as fronteiras sejam fechadas, o impacto será expressivo. "Se a gente parar por um mês o prejuízo pode ser grande, a gente espera uma redução bem agressiva neste final do primeiro semestre e início do segundo", destaca o analista. 

O consumo mundial também pode ter sofrer um impacto negativo, tendo em vista que as medidas de contenção da doença também acabam fechando restaurantes e cafés principalmente na Europa e Estados Unidos. "O consumo interno vai depender de como serão as medidas anunciadas pelo governo", comenta. 

Veja a análise completa no vídeo acima

 

 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário