Julho volátil: Clima, entrada da safra e pandemia devem manter o mercado com altas e baixas, diz Rabobank

Publicado em 08/07/2020 15:40 e atualizado em 08/07/2020 16:51 1442 exibições
Guilherme Morya - Analista da Rabobank
Entrevista com Guilherme Morya - Analista da Rabobank sobre as Perspectivas para o Mercado do Café

Podcast

Entrevista com Guilherme Morya - Analista da Rabobank sobre as Perspectivas para o Mercado do Café

Download

LOGO nalogo

Apesar do mercado futuro do café arábica ter registrado poucas vairações na Bolsa de Nova York (ICE Future US) no pregão desta quarta-feira (8), o analista de café Guilherme Morya, do Rabobank, afirma que a tendência é que o mercado continue apresentando volatilidade durante todo o mês de julho.

O analista afirma que os dois pontos que tendem a chamar mais atenção do mercado, além do clima, é a colheita de café e as possíveis consequências da pandemia do Coronavírus para o Brasil. Destaca ainda que a colheita acontece de maneira mais lente e que acompanha também a disponibilidade de containers para exportação, apesar do Brasil ainda não ter enfrentado grandes problemas nos embarques. 

Guilherme destaca que os dados ainda são avaliados, mas que a colheita deste ano já é mais cara quando comparada com 2019, por conta da safra de ciclo alto e também pelos custos extras com a pandemia. "Os trabalhos estão indo bem, um pouco mais que o normal, salvo alguns problemas pontuais", destaca referindo-se tanto à produção de arábica, quanto à produção de conilon. 

Os estoques nas principais regiões do Brasil estão com níveis mais baixos quando comparados com os outros anos, o que pode ser um fator de alta para os preços em Nova York. O novo café, segundo o analista, deve começar a pressionar os preços quando o mercado entender melhor como ficará a demanda no pós pandemia. 

Veja a análise completa no vídeo acima

 

 

 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário