La Niña está confirmado e deve durar até 2019, afirma climatologista

Publicado em 28/07/2016 15:04 135968 exibições
Luiz Carlos Molion é meteorologista brasileiro, professor e pesquisador da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), PhD em Meteorologia e pós-doutor em Hidrologia de Florestas.

O fenômeno climático começará a se intensificar entre os meses de setembro e outubro, permanecendo até 2019, é a afirmação do climatologista, Luis Carlos Molion.

Utilizando o sistema de previsão por similaridade, Molion explica que o La Niña deve seguir o padrão próximo ao ocorrido entre os anos 1999 a 2001 quando o fenômeno se estabeleceu após um forte El Niño de 1997 a 1998.

Segundo ele, com o esfriamento das águas do Pacifico um sistema de alta pressão permanece sobre o Brasil, sendo característico por ar seco que dificulta a formação de nuvens. Além disso, é comum por "altas temperaturas durante o dia e tempo mais frio durante a noite", explica.

Dessa forma, o climatologista afirma que até 2017 o clima deve ser caracterizado por chuvas abaixo da média em todo o Brasil Central, com exceção da região Sul que tende a receber um volume maior de precipitações. Além disso, em anos de La Niña é comum o avanço de massas de ar polar que favorece a formação de geadas e alongamento de períodos de baixa temperatura.

Para a produção agrícola esse cenário, se confirmado, poderá causar prejuízos à safra de verão, especialmente para culturas como soja, milho e algodão. " Há uma tendência de que as chuvas fiquem firmes somente a partir de novembro e, em geral os produtores querem plantar em setembro ou inicio de outubro", ressalta Molion.

Além disso, há a possibilidade da ocorrência de veranico severo em janeiro, com a volta das chuvas em março, abril e maio, favorecendo então a segunda safra de milho.

Já no Sul, o estabelecimento da zona de alta pressão sobre o Brasil Central "tende a desviar as frentes frias que em geral passam sobre o Rio Grande do Sul, então há uma tendência de até 2017 à região tenha grande ocorrência de chuvas", pondera o climatologista.

De acordo com Molion, o La Niña também favorece a formação de geadas e a manutenção de temperaturas até 2°C abaixo da média com o alongamento do inverno. Fator que pode ser prejudicial para a cultura do milho safrinha.

Para uma previsão de similaridade mais alongada, entre 2018 e 2019, o padrão climático deverá sofrer alteração, deixando o Sudeste, Centro-oeste, Norte e Nordeste mais chuvoso, e o Sul com menos presença de chuvas.

 

Veja também o artigo do Professor Luiz Carlos Molion sobre a Gênese do El Niño. As observações do especialista sobre a interferência da Lua nas correntes marítimas e consequentemente o aquecimento ou resfriamento dos oceanos. CLIQUE AQUI

Por:
Aleksander Horta e Larissa Albuquerque
Fonte:
Notícias Agrícolas

7 comentários

  • Leonardo da Costa Porto Alegre - RS

    2018 e 2019 NO SUL COM MENOS PRESENÇA DE CHUVAS eiuaheuiahuieahuiehIUHEUIAHUEIHAUIEHAUIEHAUIHEUIAHIEUAH SÓ RINDO PARA NÃO CHORAR! NÃO PARA DE CHUVER NO RS EM 2018, SETEMBRO, OUTUBRO! VSF!

    4
    • Praia Magnólia Manaus - AM

      Qual a previsão do tempo para RS em Janeiro de 2019?

      0
  • Leandro Cunha Candiotto Tangará da Serra - MT

    O professor Molion cita o plantio da soja no inicio de outubro alegando que nós, produtores, visamos a safrinha, contudo esta informação nao está totalmente correta..., se analisarmos nosso banco de sementes disponiveis hoje no mercado para o plantio, todos os materiais foram desenvolvidos para o plantio no inicio de outubro.... e para esta finalidade, nós, produtores, nos ultimos anos reparamos que as medias dos talhoes plantados no inicio de outubro sao superiores às plantadas no fim e inicio de novembro.

    3
  • Felipe Bertolucci Uberlandia - MG

    Confusa esta notícia... observando a climatologia até o início de dezembro, o país como um todo é marcado pelo baixo volume de chuva. Contudo, ainda não vemos de fato uma La Niña atuando com forte força neste ano. Desta forma, se o Sul registrar maior volume de chuva não será por conta da La Niña e sim por outras condições atmosféricas. Outro ponto que achei confuso foi a respeito do veranico severo, qual região sofreria com esta intempérie?

    Obrigado

    10
  • Luiz de Santana Junior Aracaju - SE

    Que venha logo a La Niña, porque o el niño nos fez amargar periodo de poucas chuvas nestes últimos cinco anos aqui na nossa região de agreste do nordeste brasileiro.

    4
    • Crizemberg Sousa Canindé - CE

      Temos que tbm olhar

      As condições do atlantico

      Pq ouvi dizer quando tem chuva D+ no nordeste é pq o oceano atlantico estar mais aquecido do que o normal e contribui para

      As frentes frias e ventos

      E até o deslocamento da ZCIT ate o interior nordestino

      0
    • Enya Roux

      Tudo será definido pelas geleiras da Antártida.., o derretimento tem aumentado nos últimos 20 anos e neste momento triplico! O planeta Terra está mudando e os trópicos também, radicalmente. O derretimento está acelerado, e Antártida perde 2,7 trilhões de toneladas de gelo nos ultimos 25 anos... Com ajuda de satélites, cientistas fizeram um levantamento da massa do manto de gelo antártico no período de 1992 a 2017 e divulgaram novos números na publicação acadêmica 'Nature'. (BBC) ...

      0
  • R L Guerrero Maringá - PR

    Uma dúvida ao prof Molion: A massa de ar seco sobre o Brasil Central irá se estender até o Pará?

    0
    • Antonio Carlos Nogueira Fortaleza - CE

      Gostaria de saber como ficará aqui o Ceará as chuvas em 2017.

      0
  • wesley junior loss são gabriel da palha - ES

    Será que esse fenômeno vai acabar com a seca severa no espirito santo?

    0
  • claudio dos santos mattos São Miguel do Iguaçu - PR

    ta dificil de seguir as previsoes... ,um dia falam uma coisa, noutro dia outra..., o que vale para um dia nao vale pro outro.

    12
    • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

      Boto fé nas do professor Molion .

      9
    • wellington almeida rodrigues Sucupira - TO

      Tá um pouco confuso mesmo, a semanas atrás falaram que a porcentagem de lã Nina tinha recuado de 75% para 50 à 55%, hoje se confirma que vai haver lã Nina até 2019, tomará que Deus abençoe que esteja certo, sendo mesmo no MATOPIBA estaremos salvos depois de uma tragédia que passamos na safra passada, nos últimos 50 anos não havia uma seca tão severa dessa forma, mas apesar de tudo estou com o Vílson, confio muito no professor Molion

      4
    • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

      As previsões dele são baseadas por similaridades

      5
    • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

      Entào, busca atráz o que aconteceu quando as condições dos oceanos foi similar e preve o que pode acontecer. Ano passado suas previsões aqui no NA se concretizaram

      1
    • Valter Luiz da Silva Caseara - TO

      Boa Tarde, Como fica a nossa região aqui no estado do Tocantins cidade de Caseara?

      0
    • Crizemberg Sousa Canindé - CE

      geralmente eu vi um video sobre o La Nina

      e disseram que atrasaria

      0
    • Crizemberg Sousa Canindé - CE

      A chuva no sudeste a temporaada de chuvas

      1
    • Crizemberg Sousa Canindé - CE

      E tambem eu vi o video

      Da climatempo dizem

      Q vai ser uma la nina

      Fraquinha msm

      Mas resumindo tudo

      Ñ sei de nada

      0