Bloqueio atmosférico reduz chuvas na região central do país. No Matopiba, situação só volta ao normal na segunda quinzena do mês

Publicado em 01/11/2019 12:35 e atualizado em 01/11/2019 16:21
4837 exibições
Vórtice ciclônico desloca corredor de umidade da Amazônia em direção ao Sul do país e provoca muita chuvas nos 3 estados da região
Heráclio Alves - Meteorologista do INMET

Podcast

Entrevista com Heráclio Alves - Meteorologista do INMET sobre o Previsão do Tempo

Download

LOGO nalogo

Os produtores rurais da área do Matopiba, da parte mais leste da região centro-oeste, incluindo leste de Mato Grosso e o norte de Goiás, só devem esperar chuvas mais regulares a partir da segunda quinzena de novembro, conforme explica o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Heráclio Alves. A razão para a continuidade da escassez de chuva é a manutenção de um vórtice ciclônico na região que só deve começar a se dissipar com maior rapidez em direção ao oceano a partir do dia 17 de novembro. Apesar do afastamento do vórtice, o déficit seguirá na área do Matopiba, de acordo com o especialista.

Alves explica que este fenômeno de vórtice ciclônico é um sistema de alta pressão em baixos níveis da atmosfera que, na superfície, impede a formação de nebulosidade e, consequentemente, de nuvens de chuva. Esta situação atinge atualmente a região mais central, principalmente na parte mais nordeste do país (região do oeste da Bahia, sul do Maranhão, toda a área que compreende o Matopiba), além do nordeste do Mato Grosso e também o norte de Goiás. Por outro lado, nesta semana, houve uma inserção de massas de ar frio e de frentes frias avançando pelo sul do país com grandes volumes de chuva, principalmente na região sul no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, inclusive com queda de granizo em algumas áreas.

"Nesta sexta-feira (01) na região Sul vai haver condição de chuva principalmente na parte centro-sul do Rio Grande do Sul por conta dessa frente fria que vem do Uruguai e está avançando, devendo chegar nas próximas horas no Rio Grande do Sul, mas ela vai se concentrar mais na faixa centro-sul do estado, com volumes de chuva nesta sexta e, principalmente, sábado (02)" explica o meteorologista.

Este fenômeno de vórtice ciclônico bloqueia a passagem de frentes frias vindas do sul e da corrente de umidade vinda da Amazônia, o que acaba concentrando o canal de umidade que normalmente viria pelo centro-oeste, avançando pelo sudeste, passando pelo Matopiba, deixando a umidade deslocada mais para o sul e sudoeste do país. Desta forma, de acordo com Alves, as chuvas no Sul devem se manter nos próximos sete dias.

O vórtice vai continuar atuando até o dia 7 de novembro, para então começar a se deslocar para o oceano e começar a se dissipar, permitindo que as frentes frias avancem para o norte e os canais de umidade comecem a se configurar com mais intensidade, trazendo chuvas mais intensas e frequentes para a região central e sudeste do país, além de grande parte do Matopiba.

Segundo o meteorologista, do dia 1 de novembro até o dia 9, o sul do país, grande parte do sudeste e a parte mais a oeste do centro-oeste, acumularão os maiores volumes de chuva, ao contrário do leste do Mato Grosso, Tocantins, oeste da Bahia, Maranhão e Piauí. Na região centro-oeste já a partir do dia 7 começa a haver uma melhora, porque o sistema começa a se deslocar mais para leste.
 

 

 

Por: Aleksander Horta e Letícia Guimarães
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário