DA REDAÇÃO: Produtores de trigo dependem de leilões governamentais para a garantia do preço mínimo

Publicado em 10/02/2012 14:15 e atualizado em 10/02/2012 15:12 477 exibições
Trigo: Estoques mundiais estão folgados e mercado não deve refletir perdas ocasionadas pela onda frio no leste europeu no curto e médio prazo. No mercado interno, produtores dependem de leilões governamentais para o escoamento de sua safra com a garantia do preço mínimo.
Produtores de trigo do Paraná continuam dependendo de leilões governamentais para escoar sua produção com a garantia do preço mínimo de mercado. De acordo com o analista da AF News, Gabriel Ferreira, as negociações no cenário físico estão praticamente travadas já que os produtores não conseguem cobrir seus custos de produção com os patamares atuais de preços.

"O vendedor quer o melhor preço e a ponta compradora também não está conseguindo cobrir seu custo de produção de farinha. O Brasil tem uma entrada forte de farinha importada e esse mês de janeiro não é muito bom para as vendas. E os moinhos ainda estão abastecidos, já que a colheita aconteceu há pouco tempo", completa.

O leilão de PEP para escoamento do cereal realizado hoje, 10, pela Conab teve novamente seus prêmios rebaixados e, consequentemente, não trouxe alívio para os produtores. Mais uma operação está marcada para a próxima sexta-feira, dia 17, e será conduzido pela Companhia  Nacional de Abastecimento (Conab), vinculada ao Mapa. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) investirá R$ 150 milhões na comercialização de trigo.

No mercado internacional, os estoques de trigo se mantém folgados e o mercado não deve refletir as perdas ocasionadas pela onda frio no leste europeu no curto e médio prazo. "Essas perdas são potenciais ainda, demoram um pouco para ser contabilizadas porque ainda existe cobertura de neve do trigo do hemisfério norte", conclui.

Por:
João Batista Olivi e Marília Pozzer
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário