DA REDAÇÃO: Soja encerra quinta-feira (9) com altas expressivas na Bolsa de Chicago

Publicado em 09/08/2012 17:27 e atualizado em 09/08/2012 18:19 470 exibições
Soja: Mercado antecipa relatório de oferta e demanda do USDA e cotações têm forte alta na bolsa de Chicago. Além disso, os elevados prêmios nos portos dos EUA mostram que a demanda continua aquecida, mesmo com os atuais patamares de preços
As Commodities Agrícolas encerram em alta na Bolsa de Chicago, nesta quinta-feira (9). A oleaginosa apresentou altas expressivas e fechou o primeiro vencimento com mais de 60 pontos de ganho.

Segundo o consultor de mercado da FCStone, Glauco Monte, a expectativa do mercado em antecipar o relatório de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que será divulgado nesta sexta-feira (10), contribuiu para essa alta.

“Se pegarmos o relatório do USDA tem feito uma revisão nos rendimentos no mês de agosto. Com isso, o mercado espera uma queda significativa dos rendimentos fazendo com as cotações dos grãos permaneçam sustentadas”, explicou Monte.

Além disso, os elevados prêmios nos portos dos Estados Unidos indicam que a demanda continua aquecida, principalmente por parte da China, mesmo com os atuais patamares de preços. A oleaginosa está sendo comercializada acima de US$ 16 por bushel.

Para Monte, o USDA irá cortar os rendimentos, resta saber quanto irá cortar e como vai ficar a demanda. “O mercado terá que ajustar a demanda, precisamos ver a que nível será ajustado para saber como ficará os estoques finais”, disse.

Já as chuvas das últimas semanas não irão amenizar a situação das lavouras de milho, que já tem perdas irreversíveis. No entanto, a soja pode apresentar alguma recuperação. “Mas qualquer nível abaixo de 40.5 de produtividade colocados no último relatório refletiria nos estoques mais baixos da história”, sinalizou Monte.

Ainda de acordo com o consultor, ainda existe a possibilidade de o mercado atingir patamares de preços jamais vistos, se realmente não haver uma redução na demanda. “Os preços são interessantes para os produtores”, finalizou.

Por:
Aleksander Horta / Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Marcelo De Baco Viamão - RS

    Retornei dos EUA e o que vi foi muito feio. Conversando com produtores do RS que tiveram perdas na última safra de vreão,eles comentaram que enchiam a carreta na mesma altura de costume,no milho a diferença de peso foi perto de 2500Kg e no soja de 950Kg por caminhão. Isto quer dizer que o peso específico dos grãos ficou abaixo do normal. Esta realidade somente apresenta-se na hora de colher, não é possível precisar antes de colher, por isto creio que podemos ver números menores no ato da colheita dos EUA. Grande abraço a todos!

    0