DA REDAÇÃO: Soja - Mercados consumidores têm dificuldades em comprar o grão no Brasil e nos EUA

Publicado em 22/03/2013 13:29 e atualizado em 22/03/2013 17:56
669 exibições
Grãos: Mercados consumidores têm dificuldades em comprar a soja no Brasil em função dos problemas logísticos e nos EUA devido aos baixos estoques do grão. Rumores de que China teria cancelado a compra de 2 milhões de soja brasileira não foram confirmados.
Os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago fecharam a sessão desta sexta-feira (22) do lado negativo da tabela. O analista de mercado da New Edge, Daniel DÁvilla, sinaliza que o quadro permanece o mesmo no mercado internacional de grãos.

A demanda pela soja permanece aquecida e há compras acontecendo compras em todos os lugares, conforme destaca o analista. A China precisa continuar comprando a soja uma vez que as margens de esmagamento estão positivas no país. No entanto, o problema é originar soja nos Estados Unidos em função dos baixos estoques do grão e pela dificuldade com o frete no país porque há 212 navios esperando para embarcar oleaginosa no Brasil.

Também temos a Argentina que deve começar a ter soja no final do próximo mês, mas o produtor argentino não quer vender o grão, pois estão com problemas de inflação. E no Brasil com os problemas logísticos a situação é complicada. Toda essa situação dificulta as compras da soja, afirma DÁvilla.

Já em relação aos rumores de que a China teria cancelado compras de 2 milhões de toneladas de soja do Brasil, o analista relata que nenhuma informações confirmada. Alguns dizem que essa informação é falsa e que foi inventada para derrubar os preços do grão no mercado de commodities agrícolas, acredita o analista.

Por outro lado, é preciso acompanhar o plantio norte-americano que deve ter início a partir de abril. O clima está seco em alguns estados, mas por enquanto, não oferece tanto risco para a produção norte-americana, conforme relata DÁvilla.

Além disso, temos que observar a demanda para a produção de etanol nos EUA que está forte, o galão do etanol está gerando cerca de 0,30 centavos de lucros para o esmagador, finaliza o analista.
Por João Batista Olivi/ Fernanda Custódio
Fonte Notícias Agrícolas

Nenhum comentário