DA REDAÇÃO: Agosto chega ao limite de baixa em dia muito negativo para a soja em Chicago

Publicado em 24/07/2013 18:57 e atualizado em 24/07/2013 19:41
1190 exibições
Soja: Cotações tem novo dia de expressivas baixas em Chicago. Contrato agosto/13 chega ao limite de baixa, pressionado pela saída dos das empresas esmagadoras da compra. No mais longo prazo, clima continua direcionando os negócios.

Os contratos futuros da soja terminaram a quarta-feira (24) com expressivas baixas na Bolsa de Chicago. O vencimento o vencimento agosto/13 fechou o dia em limite de baixa - de 70 pontos - e já sem o patamar dos US$ 14 por bushel. O setembro perdeu 22,25 pontos e os demais contratos recuaram pouco mais de 3 pontos.

Segundo o analista de mercado da Newedge Corretora, Daniel D’Avila, o vencimento de mais curto prazo vem sentindo a pressão do mercado físico norte-americano. Diante das expectativas sobre a produção da nova safra americana de grãos, os produtores do país tem corrido para vender o que ainda resta de soja às esmagadoras. A intenção dos vendedores é aproveitar os ainda bons patamares, já de olho no clima e sua influência sobre a safra em desenvolvimento. 

Já para os contratos de mais longo prazo, assim como para os mercados do trigo e do milho, as atenções se voltam para os mapas climáticas que indicam previsões de chuvas e temperaturas mais adequadas nos próximos 10 dias. D’Avila alerta que este é o principal motivo para os momentos de muita volatilidade que estão por vir ainda pois, se confirmada uma boa safra nos Estados Unidos, os preços tendem a despencar.

Para os produtores brasileiros, o analista aconselha fazer contas e, calculando margem para lucros, negociar parte da sua produção a fim de garantir bons preços nos repiques que o mercado internacional trabalha com altas. 

 

Por: João Batista Olivi e Juliana Ibanhes
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário