DA REDAÇÃO: Novos grupos de trabalho serão criados para resolver impasse da questão indígena no país

Publicado em 09/08/2013 13:12 e atualizado em 09/08/2013 17:07
248 exibições
Brasília: Avaliação do Ministério da Justiça é de que grupo de trabalho em MS é uma saída que está dando certo e que outros grupos serão criados em outros estados, a exemplo do RS. Na próxima terça-feira (13) haverá um encontro entre o Ministro da Justiça e o grupo do MS. Enquanto isso, Incra é considerado principal desmatador da Amazônia Legal e tem 120 dias para apresentar compromissos de recuperação da mata.

O Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) firmou uma parceria com a Funai e deve adquirir as terras para realocar os produtores, após decisão do Governo em comprar as propriedades rurais destinadas à ampliação ou criação de novas áreas indígenas no MS. O órgão irá adquirir a área para que seja criado o território indígena Buriti.

Segundo a repórter do Canal Rural, Daniela Castro, essa foi à saída encontrada pelo grupo de trabalho formado por representantes do Governo Federal, Estadual, produtores rurais e indígenas. Na próxima terça-feira (13) deve acontecer uma reunião, com o Ministro da Justiça, presidente do Incra e da Funai e o governador do estado, ainda para tratar do assunto.

“A avaliação do Ministério da Justiça é de que o grupo de trabalho em MS é uma saída que está dando certo e que outros grupos serão criados em outros estados, a exemplo do RS”, afirma a repórter.

Incra – De acordo com dados do divulgados pelo Ministério Público Federal (MPF) o Incra é o maior desmatador da Amazônia Legal. Nesta quinta-feira (8), o instituto firmou um termo de compromisso com o ministério, no qual, foram definidos datas e no daqui a 120 dias o órgão terá que apresentar o georreferenciamento dos assentamentos dos 7 estados da Amazônia Legal. 

“Para o presidente do Incra, os dados são antigos, da década de 70 e desde lá muitos assentamentos cresceram e se tornaram cidades que não pertencem mais ao órgão”, diz Daniela.  

Por: João Batista Olivi/ Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário