DA REDAÇÃO: Sucessão familiar no campo é um dos temas da Expointer

Publicado em 28/08/2013 12:51 e atualizado em 28/08/2013 15:47
212 exibições
Sucessão Familiar: Segundo Presidente da Fetag, jovens precisam de garantia de renda para desenvolver seus projetos de vida no campo. Além disso, também são necessárias discussões familiares para oferecer segurança aos filhos, que devem ser tratados desde novos como sócios da propriedade.

A sucessão familiar no campo é tema de um dos fóruns que ocorrem na feira Expointer, no Rio Grande do Sul. Elton Weber, presidente da Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Rio Grande do Sul (FETAG-RS), afirma que a agricultura familiar precisa de renda para manter seus filhos no campo. ”O aspecto principal hoje da sucessão familiar é a garantia de renda para que o jovem possa ficar no campo e desenvolver seu projeto de vida ali”. 

O presidente da FETAG defende ainda que a questão precisa ser tratada na esfera intrafamiliar. “Desde novos, os filhos devem ser tratados como sócios da propriedade. Os pais devem combinar com os filhos que, quando eles não puderem mais conduzir a propriedade, eles assumirão”.

Weber sugere a criação de uma bolsa de ajuda para que os jovens que moram no campo possam estudar e se manter lá. “Se ele tiver um auxilio de renda enquanto é adolescente e jovem, ele certamente permanecerá na propriedade”, afirma. 

Ele explica que, na cidade, o jovem tem subsídios para estudar, tem uma melhor comunicação e acesso à internet banda larga, enquanto no campo ele enfrenta problemas com estradas precárias e falta de luz. “Quando o jovem vai para a cidade, ele quer ficar por lá. Se essas questões forem resolvidas, ele poderá manter-se no campo”.

Weber conta que, de acordo com estudos da FAO (Organização para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas), é sete vezes mais barato para o governo manter uma família no campo do que na cidade.   

Por: João Batista e Fernanda Bellei
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário