DA REDAÇÃO: Preço médio do leite pago ao produtor sobe 3,2% em agosto

Publicado em 02/09/2013 11:35 e atualizado em 02/09/2013 12:26
367 exibições
Leite: preço médio pago ao produtor sobe 3% em agosto, mesmo com aumento da oferta em várias regiões. Já para o próximo pagamento, a tendência é de estabilidade nas cotações.

Na última semana, a Scot Consultoria divulgou um relatório identificando um aumento na média nacional do preço do leite pago ao produtor.

Segundo Rafael Ribeiro, Zootecnista da Scot Consultoria, o mercado se mostrou firme no pagamento de agosto, que remunera o leite entregue em julho: “Houve um aumento de 3,2% no preço médio pago ao produtor, alcançando uma média nacional que gira em torno de 1 real por litro”.

A concorrência ditou esse aumento de preço, mas a produção já subiu de julho para agosto e a expectativa é de um aumento de 2,9%, diminuindo a pressão de oferta. Com isso, a expectativa é de estabilidade nos preços para o pagamento em setembro.

“Esses são os melhores preços já recebidos pelo produtor e chega a quase 30% acima do pagamento de agosto de 2012. O cenário este ano é bem diferente, já que, além dos preços firmes, os custos de produção também caíram e incentivaram os investimentos, principalmente na alimentação, o que colabora com a retomada da produção nas principais regiões do país”, afirma Ribeiro.

Os produtores estão investindo em curto prazo, após um ano de margens apertadas, mas os investimentos em médio e longo devem vir no próximo ano. Porém, em função dos bons preços e da diminuição dos custos de produção, os produtores devem ter uma boa rentabilidade este ano, principalmente para quem trabalha com tecnologia e consegue aumentar a sua produção por área.

Ribeiro diz que no segundo semestre deve haver um aumento expressivo na produção devido ao cenário favorável para o produtor, mas a demanda também está crescendo e deve manter o mercado firme em longo prazo. Em curto prazo deve ocorrer uma diminuição no ritmo de alta, mas os preços continuam renumerando o produtor.

Por: Aleksander Horta e Paula Rocha
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário