DA REDAÇÃO: Tendência de alta para arroba do boi gordo no último quadrimestre

Publicado em 04/09/2013 12:16 e atualizado em 04/09/2013 15:30
552 exibições
Boi gordo: Oferta na primeira quinzena de setembro está menor ante agosto. Em São Paulo, negócios acontecem acima de R$ 104/@ à vista, com escalas de 3 dias úteis. Demanda por carne durante todo o ano. Tendência deve continuar altista também em outubro.

Os preços do boi gordo estão em alta devido a uma oferta restrita nesta primeira quinzena de setembro em relação a medos do mês de agosto. Isso representa escalas mais curtas para os frigoríficos, que acabam pressionados frente ao bom volume de exportação durante o ano e também pela demanda no mercado interno e, com isso, aumentam o preço de compra.

Nesta quarta-feira (4), o preço de balcão em São Paulo (SP) está entre R$ 102,00/@ e R$ 104,00/@ a vista, mas os pecuaristas podem negociar, chegando a vender até por R$ 105,00/@ em situações mais vantajosas, com prazos mais curtos para receber. Segundo o analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os frigoríficos estão com uma dificuldade bem grande na composição das escalas, em torno de 3 dias úteis, o que são escalas curtas, com exceção de alguns frigoríficos de maior porte, que têm conseguido compor as escalas com contratos de boi a termo.

“Desde a última semana a carne bovina já vem reagindo, com uma movimentação de alta e a expectativa realmente é muito boa para o último quadrimestre do ano. As exportações de carne também estão excelentes, reduzindo a disponibilidade interna de carne e isso faz com que haja margem para o preço subir ainda mais, até porque no último trimestre do ano a demanda é bastante efetiva”, afirma Iglesias.

Essa tendência de alta é em médio e longo prazo, com uma movimentação até outubro e novembro. Iglesias diz que a arroba pode chegar a R$ 110,00 em SP no mês de outubro devido a uma oferta mais restrita de confinados este ano e com as demandas externa e interna aquecidas, o que proporciona um cenário favorável para os preços.

Por: Aleksander Horta e Paula Rocha
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário