DA REDAÇÃO: Café – Colheita atinge 60% da área em Vargem Alta (ES) e preços permanecem abaixo dos custos de produção

Publicado em 30/09/2013 11:22 e atualizado em 30/09/2013 16:29
413 exibições
Café: Colheita do café arábica já atinge 60% da área cultivada em Vargem Alta (ES). Saca do produto é negociada a R$ 190,00, enquanto os custos de produção giram em torno de R$ 300,00. Lavouras já começam a ser substituídas por eucaliptos, produção de banana ou estão sendo abandonadas.

Em Vargem Alta (ES), a colheita do café arábica atinge 60% da área cultivada. E com as adversidades climáticas, a qualidade dos grãos foi comprometida, conforme explica o produtor rural do município, Amarildo José Sartóri. 

“A dificuldade de colheita impede que a gente faça um produto de qualidade e os preços do café estão abaixo das condições de sustentabilidade das lavouras. O café rio é negociado a R$ 190,00 a saca, que apresenta uma qualidade razoável, mas agora com o período de chuvas pode prejudicar a qualidade dos grãos que ainda serão colhidos, então os descontos serão maiores”, explica o produtor.

Paralelo a esse cenário, os custos de produção giram em torno de R$ 300,00. E diante desse cenário, a expectativa é que a produtividade da próxima safra seja prejudicada devido aos custos elevados e os preços de venda mais baixos no mercado interno. 

Com isso, os cafeicultores não conseguirão realizar os tratos culturais nos cafezais, o que deve impactar na próxima safra. Além disso, muitas lavouras, na região, começam a ser substituídas por eucaliptos, produção de banana ou estão sendo abandonadas. “A maioria dos produtores está reduzindo as lavouras e utilizando as melhores partes das propriedades para investir em outras culturas”, afirma o produtor rural.

Os cafeicultores estão desanimados e descapitalizados e não consegue ter acesso ao crédito. Por outro lado, Sartóri ainda sinaliza que muitos produtores não participaram os leilões de contratos de opções, uma vez que a qualidade do grão não é a solicitada no edital.

“As medidas do governo não têm surtido o efeito esperado no mercado e os cafeicultores estão desanimados. Com esses preços, o produtor não conseguirá realizar os tratos nos cafezais. O cafeicultor está reduzindo a lavoura, para tentar fugir dos altos custos”, ratifica Sartóri.

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário