DA REDAÇÃO: Trigo – Excesso de umidade atrasa plantio do cereal no RS

Publicado em 13/06/2014 11:05 e atualizado em 13/06/2014 16:16 482 exibições
Trigo: Excesso de umidade no solo atrasa cultivo do cereal no RS e preocupa os produtores. Até o momento, área cultivada é de 22%. Previsão de chuvas para os próximos dias pode agravar a situação e encurta a janela ideal de plantio. Saca é negociada a R$ 32,00 no estado.

O excesso de umidade no solo tem atrasado o plantio do trigo no Rio Grande do Sul. Segundo dados da Emater, até o momento cerca de 22% da área foi cultivada, número menor do que o registrado no mesmo período do ano passado, de 34%. A grande preocupação dos agricultores é que as previsões climáticas indicam chuvas para o estado nos próximos quatro dias.

Segundo o presidente da Comissão de Trigo da Farsul, Hamilton Jardim, a situação também acaba encurtando a janela ideal de plantio, que em todo o estado varia entre o mês de maio até o final de julho. “A umidade em excesso não permite a entrada das máquinas nos campos e a expectativa de cultivar 1,3 milhão de hectares nesta safra pode não se confirmar”, explica. 

Além disso, se as previsões se confirmarem, as lavouras cultivadas até o momento também poderão ser afetadas. As plantas podem ter o potencial produtivo prejudicado, além dos problemas com erosão. 

Comercialização

O estado ainda precisa negociar cerca de 850 mil toneladas da safra anterior, que estão nas mãos dos produtores, cerealistas e cooperativas. Entretanto, as cotações da saca do cereal não são atrativas e já recuaram de R$ 40,00 para R$ 32,00, mas os produtores demoram até 60 dias para receber o valor.  

“E o Governo pode retirar a TEC nos próximos dias, o que vai levar a uma depreciação nos preços praticados. A orientação é que, os agricultores que ainda tiverem o produto realizem negócios para desovar a safra, já que teremos um aumento na produção do PR, Paraguai e Argentina, que se confirmarem, os preços não terão como reagir”, alerta Jardim.

Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário