DA REDAÇÃO: Procurador do RS questiona prisão de líderes da Suiá-Missu

Publicado em 13/08/2014 13:22 e atualizado em 13/08/2014 16:17 475 exibições
Questão Indígena: Líder do movimento de resistência da Suiá Missú, Sebastião Prado, permanece preso. Produtores rurais são tratados de maneira diferente de indígenas, que têm privilégios. Ministério Público faz vistas grossas sobre assuntos ligados à demarcação de reservas, que geralmente ocorre em locais impróprios.

Após a prisão de líderes dos produtores da Suiá-Missu, o procurador do estado do Rio Grande do Sul, Rodinei Candeia, fez um artigo questionando o modo com o qual a situação foi tratada pelo Ministério Público.

Candeia conta que o questionamento foi feito uma vez que a resistência não possuia cunho criminoso e defende um tratamento semelhante ao dado para as invasões indígenas e dos grupos do Movimento dos Sem-Terra. "Não podemos tratar uns de um jeito e outros de outro", aponta.

A leitura que o procurador faz do caso é que o Ministério Público deseja intimidar os produtores rurais. Todos foram soltos, à exceção do líder Sebastião Prado, que permanece detido por tempo indeterminado.

"As pessoas têm que acreditar nos ideais e fazer a mobilização da maneira correta. Organização social não é crime" aponta Rodinei.

Por:
João Batista Olivi // Izadora Pimenta
Fonte:
Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Sebastião Ferreira Santos Fátima do Sul - MS

    Quero aqui questionar as associações que deveriam defender a classe produtora. Porque não sair a campo com uma campanha contra o "TERRORISMO RURAL",mostrando e conscientizando a população urbana sobre a situação e ao mesmo tempo pedindo apoio a MUDANÇAS URGENTES NO BRASIL???

    Cadê a FAMATO-MT,FAMASUL-MS, FARSUL-RS,e a CNA que é a maior de todas e que deveria centralizar as ações contra atos terroristas desse desgoverno no Brasil???

    Então produtores união é o ideal, vamos a luta usando o lema de conscientização da população "MUDA BRASIL"!!!!!!!!!!!

    0