EXCLUSIVO: Plantio no Paraná avança com chuvas e a expectativa fica para preços semelhantes ao atual mercado

Publicado em 15/10/2010 13:58 e atualizado em 15/10/2010 16:55
731 exibições
Plantio do Paraná acelera com a chegada das chuvas. Na região de influencia da Coamo - a maior cooperativa de grãos da América Latina - a perspectiva para os agricultores é de preços (e de distribuição de renda) semelhantes aos da safra passada.

 

As chuvas chegaram ao Paraná e concluiu o plantio do milho com redução de área. A soja começa a ser jogada na terra com previsão de chuvas mais intensas na próxima semana para ajudar no brotamento. Por todos os 63 municípios de influência da Coamo, maior cooperativa de grãos da América Latina, a perspectiva para os agricultores é de preços semelhantes aos da safra passada.

<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

O menor preço para o milho na época do planejamento das safras desestimulou os produtores brasileiros que reduzem as áreas plantadas com o cereal. Em nível Brasil, cai para 13,5%, enquanto que no Paraná, cerca de 16% e na região da Coamo, 17,3% de quebra. A previsão de colheita nacional deve cair de 56 milhões de toneladas para 52 milhões de toneladas de milho.

 

Quanto a soja, a área reduzida do milho passará para a oleaginosa que em nível Brasil, cresce 2,2%. No Paraná aumenta 2,5% e na região da Coamo, 1,5% seus hectares. A produção deve girar em torno de 68 milhões no Brasil.

 

Baseado em Campo Mourão (PR), o presidente da Coamo, José Aroldo Galassini conta que seus cooperados venderam a futuro sua produção, resta agora 23% de soja e 40% para o milho.

 

Enquanto a referência para a saca de 60 quilos de milho, base Campinas bate R$ 27,00, no Paraná, produtores recebem entre R$ 17,00 e R$ 18,00, regiões próximas ao porto. A expectativa é de que os preços caminhem nesses patamares, mas Galassini lembra que a saca já superou R$ 23,00 no passado. Estimulo para os cooperados que participam da divisão de lucros no final do ano.

 

Após o incentivo do Governo realizando o PEP (Prêmio para Escoamento do Produto) junto ao subsídio no preço do milho impulsionaram as exportações nacionais que caminham para totalizar 10 milhões de toneladas exportadas. Com a quebra nas safras da Rússia, Ucrânia e Austrália, o mercado de commodities disparou nas bolsas internacionais e, atualmente, os ótimos patamares para o milho proporciona que as exportações estejam mais estimuladas a acontecer.

Fonte: Redação NA

Nenhum comentário