EXCLUSIVO: Aprosoja quer ajudar o produtor a trabalhar com negociações futuras para assegurar preços altos

Publicado em 21/10/2010 13:47 e atualizado em 21/10/2010 16:15
754 exibições
Produtores de soja começam movimento para garantir os preços altos da soja, através de opções. A garantia de preço é a alternativa, mas os prêmios ainda são altos. Participação do Governo pode diminuir a necessidade de novos leilões no futuro.

 

O mercado de grãos tanto internacional como interno alcançou um dos patamares de preços mais altos do que o esperado nos últimos anos e estimula a produção agrícola no Brasil. Por outro lado, os produtores ainda não sabem trabalhar com as ferramentas de bolsa de valores que garantem a fixação de negócios aos preços altos do mercado futuro.

<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

A demanda global é consistente, confirmando uma tendência de preços sustentados até no longo prazo. No Brasil, a melhor sugestão para comercialização são as opções, quando é possível no papel o sojicultor pagar um prêmio para travar os negócios no mercado futuro e garantir que receberá tal valor, bem como, pode também desistir da venda se os preços na época de entrega estiverem mais altos, lucrando ainda mais.

 

Para resolver a falta de informação no campo, a Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja) lidera um movimento que leva para dentro da porteira os esclarecimentos para o sojicultor aprender a comercializar seu produto no mercado futuro para garantir a renda merecida pela sua safra. Segundo o coordenador do núcleo da Aprosoja no Mato Grosso, Carlos Fávaro, este mecanismo reduz a participação do Governo, diminuindo a necessidade de novos leilões para escoar cereais empacados nos armazéns sem preço para ser liquidado.

 

A entidade pretende conseguir novas parcerias com outras instituições financeiras (hoje só o Banco do Brasil trabalhando com as ferramentas) a fim de diminuir o valor do prêmio pelo para trabalhar com os mecanismos. E também, incentivar que o Governo participe e, principalmente, subsidie parte dos custos. Fávaro assegura que essa pode ser a nova segurança de renda que o Governo terá para ajudar os agricultores brasileiros.

Fonte: Redação NA

Nenhum comentário