EXCLUSIVO: Senadora eleita define posição política em Brasília

Publicado em 22/10/2010 13:53 e atualizado em 22/10/2010 17:15
821 exibições
Senadora Ana Amélia Lemos define seus objetivos no Senado: lutar para que o câmbio não destrua o parque produtivo brasileiro, principalmente a agricultura e o parque calçadista e têxtil. Na política, defesa da ética e do caráter.

A ex-comentarista do Canal Rural que deixou em 15 de março passado sua posição para concorrer ao Senado pelo Partido Progressista (PP) no Rio Grande do Sul, Ana Amélia Lemos, define seus objetivos no cargo a qual foi eleita em 02 de outubro: lutar para que o câmbio não destrua o parque produtivo brasileiro, principalmente a agricultura e o parque calçadista e têxtil. Na política, defender a ética e o caráter da classe.

<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Para ela, o Senado precisa resgatar a credibilidade perdida nos escândalos dos atos secretos, bem como, idealizar uma reforma política e respeitar os gastos públicos com os pessoais. Cita o filme Tropa de Elite II como um soco no estômago para os políticos e a necessidade de estarem alertas para evitar uma contaminação política para com a sociedade.

 

Ainda hoje, a senadora eleita irá anunciar apoio político ao candidato à presidência da República, o tucano José Serra. Apesar do apoio, não concorda com os ataques pessoais feitos em campanha, principalmente nesse momento decisivo para a nação.

 

Quanto à taxa de câmbio atual, Lemos pensa em medidas para que outros países importadores de mercadoria para o Brasil não tirem a lucratividade dos brasileiros, como no caso da indústria têxtil e do parque calçadista, também do agronegócio. Por outro lado, é preciso haver um equilíbrio e redução de gastos do Governo que impedem o crescimento do país.

 

Sobre a questão ambiental, Ana Amélia, como conhecedora e representante de um dos maiores estados produtores de alimentos do país, apóia que sejam adotados medidas e investimentos em pesquisas junto à Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) para uma agricultura sustentável, assim como já existe a prática do plantio direto em algumas regiões.

Fonte: Redação NA

Nenhum comentário