DA REDAÇÃO: Produção de trigo no RS sobe 15%, já PR tem quebra de 30% nesta safra

Publicado em 28/10/2011 13:23 e atualizado em 28/10/2011 16:37 452 exibições
Trigo: apesar de o mercado caminhar de lado, com tendência baixista pela disponibilidade do cereal do sul do Brasil e da Argentina, Emater anuncia 15% na produção do Rio Grande do Sul. Novamente a oferta vai exceder a demanda e o Governo precisará intervir com leilões para escoar produção.
Apesar das indefinições nos preços do trigo, a produção no Rio Grande do Sul, segundo maior Estado produtor no Brasil, deve ter aumento de 15% nesta safra, de acordo com informações da Emater.

De acordo com Élcio Bento, analista da Safras & Mercado, o Paraná, principal produtor do cereal, já possui 70% do seu trigo colhido. No entanto, esta safra apresentou quebra de 30% no Estado, devido à redução de 13% da área plantada e 17% em função das geadas do final de junho. Já no Rio Grande do Sul a expectativa é de que o Estado colha 2,1 milhões de toneladas, contra 2,4 milhões do Paraná.

Quanto aos preços, o analista explica que a tendência é de preços mais fracos devido à produção no Paraná e Rio Grande do Sul e à iminência da colheita na Argentina, onde os preços do trigo também seguem em queda, além é claro do cenário macroeconômico afetado pela crise na Europa.

Segundo Bento, os preços do trigo têm encontrado suporte no milho, que hoje vale mais do que o trigo, levando-o a uma maior utilização para a ração animal. “Caso ocorresse uma queda nos preços do milho, a situação do trigo iria se complicar, pois o suporte tem sido o mercado de ração animal”, explica.

No entanto, o Governo deve intervir nos preços, como acontece todo ano, a partir da próxima semana, com a liberação de 150 milhões de reais para leilões de PEP, Pepro e AGF para escoamento desta safra. “A referência para o produtor deve ser preço mínimo garantido pelo Governo, o que vier acima disso é um preço que deve ser aproveita para comercialização.

Trigo Argentino

De acordo com Bento, já é possível encontrar trigo argentino no Rio Grande do Sul mais barato que o trigo brasileiro. Isso acontece por que a produção na Argentina é menos onerosa por fatores climáticos, melhor solo e tributários. “No Brasil, o ICMS do Rio Grande do Sul é de 12%, o que complica a comercialização”, afirma.

O Brasil é hoje um grande exportador e importador de trigo. O cereal produzido em solo brasileiro vem melhorando em qualidade desde 1990, quando foram abertas as exportações do cereal, conclui o analista.

Por:
João Batista Olivi e Ana Paula Pereira
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário