DA REDAÇÃO: Menor oferta e escalas curtas mantêm preços firmes para o boi

Publicado em 16/11/2011 12:55 e atualizado em 16/11/2011 14:49 511 exibições
Mercado do boi gordo continua registrando alta em grande parte das praças pecuárias diante da oferta escassa e escalas curtas. Em mais de 4 regiões a arroba já é negociada a R$ 107/@, à vista. Em Goiás, há negócios efetivos a R$ 103/@ para o boi europa. Entrada da 1ª parcela do décimo terceiro na próxima semana deve sustentar ainda mais a corrida nos preços da carne.
Os preços da arroba do boi seguem em alta nesta quarta-feira em varias praças brasileiras. Segundo o analista da Cross Investimentos, Caio Junqueira, o mercado hoje opera como se fosse uma segunda-feira, com escalas curtas.

No próximo dia 20, a entrada da 1ª parcela do décimo terceiro deve sustentar ainda mais a corrida nos preços da carne, devido a curta oferta no mercado. “Os negócios que estão saindo no físico de hoje e segunda-feira são acima da média”, explica o analista.

Em quatro regiões do País é possível encontrar a arroba do boi a R$107 a vista nesta quarta-feira. No Mato Grosso do Sul, os frigoríficos voltaram às compras hoje. “Tem muita gente tentando comprar a R$97/@ a vista. Quem quiser vender boi não vai passar vontade. Na segunda-feira o Estado teve negócios a R$100/@ a vista e a tendência é que todo o mercado acompanhe o movimento de alta visto em São Paulo”, explica Junqueira.

No Mato Grosso o boi foi negociado hoje a R$95/@. Tanto no Mato Grosso, como no Mato Grosso do Sul a tendência é que os preços corram para R$100/@. Em Goiás, o boi é negociado acima dos R$100/@ e o boi europa pode ser encontrado a R$103/@ em negócios concretos no Estado. “Quando São Paulo sai na frente e começa e pagar preços novos isso logo se alastra pelo restante do Brasil e altas são sucessivas e consecutivas”, afirma o analista.

No mercado futuro, Junqueira avalia que o mercado ainda segue em ritmo de feriado. “O fato do futuro estar parado com apenas R$1 de alta é coerência, pois o mercado deve seguir devagar mesmo, pagando R$1 diário para o vencimento novembro. Assim, os players acham que é  confortável esperar e isso não significa que acabou a alta e que ninguém queira apostar na alta, o mercado espera mesmo que o físico fique mais firme”, garante.

Para concluir, Junqueira explica que o fato do mercado físico soltar um ou outro boi a R$107/@ a vista não quer dizer que vá virar balcão das indústrias. “Por mais que eu acredite que a gente caminhe pra isso, mas essa ainda não é uma realidade concreta. Enquanto isso o mercado aguarda essa diferencial de R$1. Se o mercado vier a concretizar preços acima disso provavelmente vamos ver a bolsa subir acima disso.”

Por:
João Batista Olivi e Ana Paula Pereira
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário