Com greve, cerca de 300 carretas deixam de movimentar feijão diariamente. Fim da paralisação pode pressionar cotações

Publicado em 25/05/2018 14:18 e atualizado em 25/05/2018 15:19
1306 exibições
Produtores devem evitar concentração de oferta após o fim da greve para não pressionar preços
Marcelo Eduardo Lüders - Presidente do IBRAFE

Podcast

Entrevista com Marcelo Eduardo Lüders sobre o mercado do Feijão

Download

 

LOGO nalogo

A greve dos caminhoneiros continua, apesar da indicação de acordo do Governo. Com isso, alguns produtos do agronegócio, como o feijão, se veem afetados pela situação.

Marcelo Eduardo Lüders, presidente do IBRAFE, lembra que o feijão é um produto estocável, que pode não ter grandes problemas. Contudo, a situação é complicada nas lavouras, bem como pode ocorrer um desabastecimento no varejo.

Há locais em que a colheita, por falta de diesel, está parada, de forma que os produtores podem ter prejuízo nesse processo. Alguns também não conseguem transportar o feijão até a secagem. Para ele, esse é um "efeito dominó", já que muitos estão pagando juros e a situação vai ficando pior a cada hora.

Na visão de Lüders, ainda precisaria de mais algum tempo para que o consumidor começasse a sentir falta de alguns produtos e se manifestasse contra o Governo.

Ele acredita que ainda não dá para quantificar, mas que o setor irá sofrer perdas. Antes da crise, os produtores estavam vendendo feijão entre R$80 a R$100, o que já não cobria os custos de produção.

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário