Demanda por feijão recua até 30% e reduz fluxo de comercialização. Oferta restrita mantém mercado firme

Publicado em 22/10/2019 13:50 e atualizado em 22/10/2019 17:09
1476 exibições
Alerta do Ibrafe para quem está planejando diversificação para exportação ; não produza sem a certeza da compra
Marcelo Eduardo Lüders - Presidente do IBRAFE

Podcast

Mercado do Feijão - Entrevista com Marcelo Eduardo Lüders - Presidente do IBRAFE

Download

LOGO nalogo

O consumo de feijão recuou em até 30% e consequentemente reduziu o fluxo de comercialização no país. A oferta restrita mantém o mercado firme e apesar de registrar preços considerados é preciso analisar e entender a redução na demanda. Nesta terça-feira (22) o Notícias Agrícolas conversou Marcelo Eduardo Lüders - Presidente do IBRAFE para entender melhor o que o produtor de feijão pode esperar do mercado nos próximos dias.

Segundo Marcelo, na última semana os preços chegaram a ser negociados por cerca de R$ 190,00 e nesta semana foram comercializados entre R$ 175 e R$ 180. O especialista explica que principalmente os empacotadores vêm reclamando de que as vendas entre 15 de setembro e 15 de outubro caíram entre 25% e 30% em algumas regiões, quando comparadas com o mesmo período no passado. "Isso tem um impacto grande e se não fosse essa diminuição no consumo os preços poderiam estar acima desses valores", analisa. 

Lüders afirma que atualmente há uma ideia generalizada no mercado de que o poder do mercado vem mudando de mãos ao longo dos anos. "Significa que quem tem muito poder hoje são os atacados e os atacarejos. O modelo de negócio do atacarejo concentra um volume maior e isso tira das mãos dos empacotadores e do produtor parte do poder de negociar", explica. 

Segundo Marcelo, sempre que uma crise chega ao ponto de atingir também mercados como o do feijão é preocupante, mesmo que o governo esteja fazendo ações para que a economia avance. "É preocupante, na semana passada nós vimos um alerta que o mundo inteiro vem ganhando uma quantidade de pessoas que passam fome. E para nossa surpresa, há registros, a serem confirmados, de que existe subnutrição já no nosso país e ié diretamente com nosso produto", comenta.  

Ele afirma ainda que não é uma questão de preço que inibe o mercado no momento, reforçando que é importante que o mercado tenha fluidez, com uma demanda mais forte. "O que a gente tem percebido desde os produtores até o varejo é de que a reclamação não é de preço, é de demanda", afirma.

Confira a entrevista completa no vídeo acima

Marcelo ainda fez um alerta para os produtores. Alerta do Ibrafe para quem está planejando diversificação para exportação é que não produza sem a certeza da compra. Confira no link abaixo:

>>> Feijão: Atacado prensa o empacotador

Por: Aleksander Horta e Virgínia Alves
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário