Associação de Criadores de Suínos apoia intensificação da campanha de vacinação para evitar que vírus da PSC se alastre

Publicado em 11/10/2019 14:17 e atualizado em 11/10/2019 17:06
936 exibições
Focos de PSC detectados no Nordeste estão fora da Zona livre da doença e por isso não devem afetar exportações. Trabalho de contenção do vírus é fundamental
Marcelo Lopes - Presidente ABCS

Podcast

Peste Suína Clássica no Nordeste - Entrevista com Marcelo Lopes - Presidente ABCS

Download

LOGO nalogo

Nesta quinta-feira, o Ministério de Agricultura confirmou focos de peste suína clássica nos estados do Alagoas, Ceará e Piauí, sendo que são áreas fora da zona livre da doença reconhecida pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) no país. Essa situação não deve causar prejuízos às indústrias Brasileiras.

De acordo com o Presidente da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS), Marcelo Lopes, o norte e o nordeste não são áreas livres da doença de peste suína clássica. “Nós tivemos o relato recentemente em Alagoas, mas o foco está controlado e os animais já estavam sendo abatidos. A associação está acompanhando bem de perto em conjunto do Ministério”, afirma.

A liderança ainda reforça que é preciso pressionar o ministério para que reforce cada vez mais a fiscalização e tornar essa área uma zona livre da doença. “É preciso fechar as fronteiras para que esse vírus não se espalhe. O ministério está agindo da forma correta, conforme as informações do secretário do Mapa”, comenta.

Nas áreas não livres vai ocorrer a vacinação, porém não é algo fácil de ser feito em que produtores rurais com subsistência. “Nenhuma produção tecnificada nestes estados foi contaminada, sendo que esses focos foram encontrados era criação de subsistência”, aponta.  

Leia mais: 

>> Brasil relata peste suína clássica; doença não tem relação com peste africana

Por: Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário