Apesar de baixo risco para o país, Brasil monitora casos de gripe aviária na Europa e Ásia

Publicado em 18/11/2021 11:27 e atualizado em 18/11/2021 12:48 88 exibições
Lilian Figueiredo - Coordenadora de produção animal da CNA
Segundo especialista, o Brasil tem pouco fluxo de aves migratórias e medidas eficazes de biosseguridade nas granjas

Podcast

Entrevista com Lilian Figueiredo - Coordenadora de produção animal da CNA sobre os Múltiplos Casos de Gripe Aviária

Logotipo Notícias Agrícolas

Nas últimas semanas, vários casos de influenza aviária têm sido notificados em países da Europa e da Ásia, inclusive com o abate de várias aves sendo utilizado como forma de mitigar o avanço do problema. No Brasil, entretanto, nunca houve casos de alta patogenicidade da doença, de acordo com a coordenadora de produção animal da Confederação Ncional da Agricultura (CNA), Lilian Figueiredo. 

Segundo ela, apesar dos vários surtos da doença reportados no exterior, o risco é baixo para o Brasil. "O fluxo de aves migratórias que temos aqui nem se compara com o destes países que têm registrado a influenza aviária. Além disso, as questões de biosseguridade nas granjas brasileiras são levadas a sério, com telas nos aviários e controle de entrada de pessoas", disse. Além disso, Lilian afirma que os Estados com seus órgãos ambientais e de defesa monitoram a entrada de aves migratórias nos territórios, inclusive realizando exames para uma possível detecção de doenças. 

A coordenadora afirma também que esses casos de gripe aviária na Europa e Ásia nesta época do ano são esperados devido à temporada de migração das aves, e que o Brasil inclusive registra aumento nas exportações de carne de frango no último trimestre do ano, em parte por esta razão. 

"O Brasil tem plena condição de aumentar a produção para atender eventuais necessidades de países que embargaram importações de outros que estão tendo problemas com a influenza aviária, uma vez que a avicultura de corte é uma atividade de ciclo rápido e nós não temos problemas sanitários", disse.

 

Por:
Letícia Guiamrães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário