HOME VÍDEOS NOTÍCIAS DADOS DA SAFRA METEOROLOGIA FOTOS

Colheita do maracujá chega perto do final em Santa Catarina com resultados positivos

Publicado em 12/05/2021 10:24 e atualizado em 12/05/2021 10:54 528 exibições
Henrique Belmonte Petry - Pesquisador da Epagri - Estação Experimental de Urussanga/SC
Mesmo com dificuldades climáticas, safra 20/21 deve obter produtividade média entre 25 e 30 toneladas por hectare e produção total de 60 mil toneladas no estado. Preocupação maior fica por conta da rentabilidade devido ao aumento nos custos de produção e preços de venda abaixo da média

Podcast

Colheita do maracujá chega perto do final em Santa Catarina com resultados positivos

Download

LOGO nalogo

Santa Catarina estima colher 60 mil toneladas de maracujá

Com uma produção média estimada entre 25 e 30 toneladas por hectare, Santa Catarina deve produzir cerca de 60 mil toneladas de maracujá na safra 2020/21. O Estado tem aproximadamente 2 mil hectares de pomar da fruta, a maioria concentrada no Sul. A produção, mesmo reduzida por instabilidades climáticas – como a extensão do frio no início do cultivo e as chuvas ocorridas principalmente no mês de janeiro – pragas e doenças, ficou acima da média histórica de 23 toneladas por hectare.

Diego Adílio da Silva, líder do Programa Fruticultura da Epagri no Sul Catarinense, explica que o crescimento da produtividade é decorrência da adesão, por parte dos produtores, às práticas de manejo difundidas pela Epagri nos últimos anos. Segundo o extensionista rural, as práticas preconizadas pela Epagri já proporcionaram picos de produtividade que chegaram a 90 toneladas por hectare, mais especificamente no município de Pedras Grandes.

A safra 2020/21 já está praticamente toda colhida. De acordo com o registrado em algumas Unidades de Referência Técnica (URTs), que são propriedades acompanhadas pela Epagri, os produtores vêm recebendo, em média, R$20,50 pela caixa de 11 kg. “É um valor abaixo do pago na safra passada, muito em decorrência do frio que adentrou aos meses da primavera, postergando o começo da colheita, que geralmente se dá no início da segunda quinzena de dezembro, onde os preços praticados são mais atrativos” analisa Diego.

O técnico da Epagri explica que, por ser uma fruta de alta qualidade, o maracujá catarinense já alcançou, em outras safras, picos de preços de R$70,00 a caixa. Nas unidades agrícolas acompanhadas nesta safra, o maior valor obtido foi de R$35,00 a caixa. Neste momento de fase final da colheita, quando a fruta tradicionalmente tem menos qualidade, a caixa vem sendo vendida a R$13,00. O principal mercado comprador segue sendo a região Sudeste do país.

Diego destaca ainda a elevação considerável do custo de produção. Segundo ele, em algumas URTs houve um aumento de 20% na comparação com a safra passada. Na média, o custo de produção da safra 2020/21 foi 17,3% maior em relação à safra anterior.

colheita_maracuja_santa_catarina_2021_epagri

Qualidade

Outros entraves da atual safra foram a ocorrência de doenças fúngicas como a verrugose, e de outras causadas por ataques de insetos como percevejo e a mosca do botão floral. O cenário biológico superou inclusive a virose do endurecimento do fruto, doença conhecida pelos produtores de maracujá de Santa Catarina, que veio sendo controlada nos últimos anos graças a um trabalho articulado entre Epagri, Cidasc, cooperativas, atacadistas e produtores, para difusão de boas práticas de manejo. 

Para controlar a virose do endurecimento do fruto, os produtores passaram a selecionar plantas e frutos de maior qualidade para obtenção de sementes e a usar mudas produzidas em ambientes protegidos e transplantadas para o pomar já maiores. Também passaram a utilizar quebra-ventos, entre outras medidas. Outra providência fundamental foi a criação do vazio sanitário, que estabelece que entre os dias 1 e 31 de julho de cada ano não poderá existir nenhum pomar comercial de maracujá em Santa Catarina, diminuindo a instalação da doença e sua disseminação por seus principais vetores, os pulgões.

Controle

Agora a Epagri começa a estudar meios de controlar as doenças que apareceram com mais intensidade na última safra. A Estação Experimental da Epagri em Urussanga já começou o monitoramento da mosca do botão floral. Também já iniciaram os testes para combater a verrugose, que é causada por um fungo e se manifesta mais intensamente quando encontra condições climáticas adequadas.

“Mesmo com todos os entraves citados, o maracujá é uma alternativa de renda para a propriedade rural catarinense”, sentencia Diego. Contudo, ele reforça a importância de o agricultor realizar o vazio sanitário, fazer uma boa amostragem de solo, encomendar mudas de viveiros idôneos e realizar um bom planejamento de sua safra.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário