Para autônomos do RS a população assumiu a mobilização iniciada pelos caminhoneiros e não é possível mais retroceder

Publicado em 29/05/2018 11:32 e atualizado em 29/05/2018 14:14
3190 exibições
BR-285 que faz ligação com o Mercosul segue parado na altura de Carazinho-RS e mobilização conta com apoio dos moradores do município
Jacir Carvalho - Representante dos Caminhoneiros Autônomos do RS

Podcast

Entrevista com Jacir Carvalho - Representantes dos Caminhoneiros Autônomos do RS sobre o posicionamento dos caminhoneiros

Download

LOGO nalogo

Os caminhoneiros continuam com paralisação que ainda esperam mais garantias do atual governo. Na região de Carazinho/RS, os protestos estão acontecendo ao longo BR 285 em que os veículos de carga seguem parados e apenas ambulância e caminhões com carga viva que estão andando.

Segundo o Representante dos Caminhoneiros Autônomos do estado, Jacir Carvalho, as reivindicações da classe trabalhadora foram atendidas e alguns requisitos estão em votação, mas que agora os protestos não são apenas dos motoristas. “A população acordou e veio para a rua protestar contra os políticos, pois os aumentos do óleo diesel estavam absurdos”, afirma.

Além dos caminhoneiros, os comerciantes e produtores rurais decidiram apoiar a classe trabalhadora com protestos na BR 285 com entroncamento da BR 386. “A rodovia está totalmente aberta, mas caminhões de carga não têm nada andando somente com carga viva e ambulância”, destaca.

Até o momento, os caminhoneiros não têm previsão de parar com a mobilização.  “É por tempo indeterminado, pois vai depender dos próprios governantes de pegar as rédeas do país de volta, na qual eu acredito que não tem condição”, finaliza.

Confira as imagens da manifestação na região de Carazinho/RS

Protesto em apoio aos caminhoneiros em Carazinho/RS - Jacir Carvalho

Protesto em apoio aos caminhoneiros em Carazinho/RS - Jacir Carvalho

Protesto em apoio aos caminhoneiros em Carazinho/RS - Jacir Carvalho

Protesto em apoio aos caminhoneiros em Carazinho/RS - Jacir Carvalho

Por: Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário