Vazio sanitário com 120 dias no Paraná abre espaço para discussão no estado. Produtores pedem flexibilização das datas de p

Publicado em 13/09/2016 16:56 e atualizado em 13/09/2016 22:06
1015 exibições
Medida foi implementada com intuito de impedir a chamada ponte verde para proliferação do fungo da ferrugem, com cultivo de soja safrinha no estado. Mas decisão gera polêmica e abre discussão sobre o tema

6 comentários

  • Ademir Braz Martins Campo mourão - PR

    Acho que esta história de vazio sanitário é só do interesse de sementeiras e de quem quer mais impostos para o cofre do governo . O milho safrinha tbm tem doenças tem ferrugem, e ninguém fala nada... por que será???. Porque todos ganham com semente, fertilizantes químicos, inseticidas, fungicidas, etc., e o agricultor toma prejuízo... aí é liberado . Levantem esta questão aí, Notícias Agrícolas...

    3
    • CARLOS WILLIAM NASCIMENTOCAMPO MOURÃO - PR

      Tá tudo dominado, Ademir. Pesquisa, revendas, cooperativas, sementeiras, donos da genética, etc.. todos falando a mesma ladainha para tirar mais dinheiro do bolso do agricultor. Nos proíbem de fazer semente de soja através deste vazio sanitário criminoso. Nos entregam uma porcaria de mercadoria, comprometendo nossa rentabilidade. O que eles querem é sugar nossa última gota de sangue. Transformar nossos herdeiros em empregados, integrados. Tenho asco desta cambada. Mas por outro lado estão levando um tombo sem tamanho na venda de sementes de milho. Os preços abusivos criaram uma oportunidade para alguns, que produzem semente de milho híbrido caseira. O valor é de 5 a 7 reais por kilo e produz 10 sacas por hectare a menos do que o comprado na cooperativa. Conheço um corretor que sozinho vendeu 50 mil kilos numa semana. E não tem como proibir. Para todos os efeitos eu estou comprando milho grão. Mesmo que venham na minha propriedade fiscalizar, não existe patente sobre segunda geração de milho híbrido. Isso é o que acontece quando nos encurralam. Não temos outra saída. Ou tratamos dos filhos da diretoria das empresas ou os nossos. O mesmo acontece com inseticidas para lagartas e percevejos. 80% vem do Paraguay. A realidade é essa. Tem mais vendedor de veneno ilegal do que buteco que vende pinga na vila. Também, uma aplicação de produto nacional custa 120 pilas por alqueire pra matar metade dos percevejos. Dizem que o inseticida chirú custa 43 reais por alqueire e mata 110%. É errado, mas como disse acima, cada um tem que dar de comer pros filhos.

      0
    • CARLOS WILLIAM NASCIMENTOCAMPO MOURÃO - PR

      E tem outra coisa nojenta acontecendo. As empresas criam grupos de whatsapp com os clientes agricultores. Como só pensam em vender, ficam postando fotos fajutas de lagartas comendo soja intacta, comendo vagens, fotos de folhas tomadas por ferrugem, com clara intenção de disseminar o pânico. Tenham vergonha na cara, peo amor de Deus.

      0
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      Carlos, aprovamos e apoiamos as suas explicações... Parabéns

      1
  • Alcindo Pastore Palotina - PR

    Pelo que estamos vendo esse tal "vazio" vai ser armazém de semente vazio! Na hora em que faltar semente, vamos ver quem tem razão: o Produtor ou os criadores de técnicas baseadas em teorias e conspirações! Cooperativas dando tiro no pé com vazio! Preço da semente nas nuvens e qualidade não melhorando, pois cada vez recomendam mais porcarias no tratamento. Sinal que não se garantem na qualidade. E, além do mais, os produtores de sementes da região sul não querem cultivar a soja que queremos aqui, então a bomba vai estourar no preço, tirando a competitividade do setor. Prejudicial a todo setor e ao país! Mas deixa estar, o mundo é redondo!!!. Quem cospe pra cima e fecha os olhos, no rosto lhe cai!

    3
  • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

    Valdir... sempre participando com conhecimento e coerências... e tem RAZÃO... fica dificil entender coisas... ora qual o ciclo da bacteria... com 30 dias se foi..mais 30 de segurança... logo um vazio de 60 dias seria o correto... mas EXACERBAM pois sou Técnico e a maioria deles não sabe analisar o CONJUNTO... e sim só a especialidade e ainda exacerbada..o que mais me deixa intrigado é os produtores suas lideranças e entidades receberem isto goela abaixo e ficarem quietos... ACOVARDADOS... chamem o governador... o secretario... os técnicos e ponha-os na roda e cobrem uma solução... trabalhei como tecnico em parte de minha vida profissional e a maioria só enxerga o que ACHA que sabe e não o conjunto... estou até hoje esperando de um profissional da embrapa londrina que me prove que nematoides geram uma perda no BRASIL em 10% na soja... e disse a época que número redondo é CHUTE... e ate hoje a cara tá quieto..ora não pecisamos de CHUTADORES... e sim de soluçoes EQUILIBRADOS entre GRAU DE RISCO... CUSTO e RESULTADO... LUCRO... soldo... dindin.. bufunfa.. pila... etc

    2
  • Lindalvo José Teixeira Marialva - PR

    VAZIO NO PARANÁ: Situação que exige a posição da pesquisa. Hoje, por exemplo, está muito frio, quem plantou soja pode ter problemas na germinação. O clima está mudando muito e há incertezas. Aconselho ao produtor a trabalhar com seguro e não fazer loucuras..., colher bem soja e cuidar mais da terra na safrinha.

    1
    • CARLOS WILLIAM NASCIMENTOCAMPO MOURÃO - PR

      As cooperativas e vendedores de insumos faturam mais com milho safrinha. Estes ficam caladinhos quando as condições de plantio não são favoráveis, pois sabem que um grande atraso no plantio da soja causará redução na área de milho safrinha.

      0
  • armelindo corte dos reis Enagenheir Bel trão - PR

    Parabéns Valdir... foi de muito aproveito sua entrevista! E lembrar que somos vizinho! Sou de Engenheiro Beltrão Pr.

    0
  • leandro carlos amaral Itambé - PR

    Discordo nesse ponto de deixar plantar soja safrinha só em area de milho verao, pois a polemica está em cima da FERRUGEM e a mesma ataca as folhas e nao raizes... entao se libera para todo ESTADO ou proibe pra todos produtores...

    6