Lagarta do cartucho está presente em 77% das lavouras de milho segunda safra em MT e acende sinal de alerta para controle mais eficiente

Publicado em 28/05/2015 13:13
Lagarta do cartucho está presente em 77% das lavouras de milho segunda safra em MT e acende sinal de alerta para controle mais eficiente
Na região do Mato Grosso, quase 80% das lavouras de milho safrinha registraram o aparecimento da lagarta do cartuxo. Para Cid Sanches, gerente de planejamento da APROSOJA, Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso, o momento é de alerta para os produtores.
 
“A APROSOJA, juntamente com a EMPRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, esteve em mais de 120 fazendas verificando a condição do milho. Foi constatado o surgimento da lagarta do cartuxo em mais de 90% das amostras colhidas. Quantidade alta de lavouras com essa praga, porém, não vimos ainda um dano grave, algumas estavam com números elevados, mas nada que vá comprometer a produtividade”.
 
O gerente explica que a incidência da praga está relacionada ao clima frio e as chuvas. “A cada ano as chuvas tem sido mais espaçadas e com isso temos períodos verdes cada vez maiores. Períodos no verão com a safra de soja, e do algodão, e no inverno com a safra de milho. O resultado disso é que as pragas vão se tornando cada vez mais fortes com o passar dos anos”.
 
Diante desse cenário, o produtor deve tomar algumas medidas provisórias para amenizar o aparecimento da praga. 
 
“O agricultor tem que ficar atento e monitorar a lavoura constantemente. Fazer uso de algumas ferramentas como o manejo integrado de pragas - muito difundido pela EMBRAPA, entrar com alguma aplicação de inseticidas e fazer uso de tecnologias de híbridos BT - deixando as áreas de refúgio recomendas por cada fabricante”, orienta Sanches.

 

Tags:
Por:
Aleksander Horta//Nandra Bites

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário