Estria bacteriana é a nova doença do milho detectada no Paraná. Mais de 30 híbridos já foram confirmados suscetíveis

Publicado em 10/07/2018 16:41 e atualizado em 11/07/2018 12:11
6495 exibições
Em algumas variedades o grau de severidade chegou a 70% , afetando significativamente o potencial produtivo da lavoura
Adriano De Paiva Custódio - Pesquisador do Iapar

Podcast

Entrevista com Adriano De Paiva Custódio - Pesquisador do Iapar sobre a Nova doença em lavouras de milho no Paraná

Download

 

LOGO nalogo

O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) realizou um alerta a respeito de uma nova doença verificada nos milharais do estado. Segundo Adriano de Paiva Custódio, pesquisador do Instituto, este é o primeiro relato oficial da doença no Brasil, que já fora identificada anteriormente em 1949 na África do Sul, em 2016 nos Estados Unidos e em 2017 na Argentina.

Trata-se da estria bacteriana do milho, detectada pela equipe técnica da Copacol em Cafelândia (PR). Causada pela bactéria Xanthomonas vasicola pv. vasculorum, esta é uma doença foliar que reduz a área esteticamente ativa da planta.

Mais de 30 híbridos são suscetíveis à doença, com potencial de severidade acima de 70%. Ainda não existem relatos específicos sobre a relação da severidade com a produtividade, mas em outras doenças, níveis acima de 40% de severidade diminuem a produtividade da lavoura em 50%.

A doença traz também novos desafios para a pesquisa, porque pouco se conhece sobre ela. Sabe-se que a própria semente do milho pode ser uma potencial fonte de dispersão do patógeno, embora isso ainda não esteja confirmado.

A doença forma estrias ao longo das nervuras, deixando nítida a coloração amarelada, de forma que a folha começa a perder seu potencial de produção de fotossíntese.

Na quinta-feira (12), o Iapar irá realizar um debate em sua sede em Londrina (PR) para destacar essa nova enfermidade. A participação é gratuita, mas é preciso confirmar presença pelo e-mail [email protected] até quarta-feira (11).

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário