Após queda de 40% na soja, Maringá/PR espera boa produtividade para a safrinha de milho

Publicado em 13/03/2019 10:58 e atualizado em 13/03/2019 15:33
667 exibições
Plantio já está praticamente encerrado e produtores esperam média de 100 sacas por hectare na colheita que deve se iniciar em julho. Mercado apresenta preços de R$ 30,00, ficando no limite para produtor fechar a conta a ter algum lucro.
José Antônio Borghi - Presidente do Sindicato Rural de Maringá/PR

Podcast

Entrevista com José Antônio Borghi - Presidente do Sindicato Rural de Maringá/PR sobre Acompanhamento de Safra do Milho Safrinha

Download

LOGO nalogo

Na região de Maringá/PR, os produtores rurais estão com boas expectativas para o milho safrinha já que a cultura da soja teve uma quebra de 40% na produtividade. Atualmente, o plantio conta com 80% do cereal cultivo e determinadas áreas as plantas estão em estágio de desenvolvimento vegetativo.

De acordo com o Presidente do Sindicato Rural do município, José Antônio Borghi, a semeadura do milho teve início em janeiro e as lavouras apresentam um bom padrão. “A nossa expectativa inicial é de ter um fechamento de safra próxima de 100 sacas do grão por hectare. Até o momento, a estimativa é que a colheita para o milho safrinha comece a partir de julho.”, afirma.

Com relação às condições climáticas, a liderança destaca que a tendência é que a temperatura diminua e as noites fiquem mais frias. “Tudo isso favorece a cultura e os riscos a partir de agora são as geadas que podem ser antecipadas para maio e afetar a produção na nossa localidade, mas a expectativa é a maior possível”, comenta.

Nesta safra 2018/19, a incidência de pragas e doenças nas lavouras aumentou e os agricultores tiveram muito problemas para combater a largata. “A cada ano tem que fazer um controle maior e mais eficiente. Com isso, os custos de produção ficam elevados mesmo nas sementes que já tem resistência a largata e percevejo”, ressalta.  

Preços   

Na localidade, as referências para o milho balcão estão ao redor de R$ 30,00 a saca, tendo em vista que esses patamares de preços remuneram o produtor se a safra normal. “Caso as cotações fiquem abaixo de R$ 30,00 começa a comprometer o lucro do agricultor”, pontua.  

As cotações da soja balcão nas cooperativas estão girando em torno de R$ 67,00 a R$ 68,00 a saca. “O mercado ainda não precificou essa perda de produtividade na soja e o produtor com pouca produção está tendo que vender mais para honrar com os compromissos. Porém, será poucos produtores que vão conseguir fechar as contas”, diz.  

Soja

No caso da soja, a colheita já está encerrando e o percentual colhido está próximo de “Nós tivemos um ano muito difícil com excesso de chuva no plantio que provocou morte de plantas. Depois uma seca em dezembro a janeiro que acabou contribuindo para perda de 40% na produtividade, na qual vai impactar na economia regional”, salienta.

A liderança ainda reforça que o maior investimento que o produtor rural deve fazer é na construção do solo e na cobertura do solo. “São todos esses requisitos que neste ano ficou bem claro que as propriedades que tinham um manejo do solo diferenciado e uma gestão de cultura tiveram um resultado diferente no rendimento da lavoura”, completa.  

Por: Guilherme Dorigatti e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário