Senador Álvaro Dias confirma defesa intransigente a Sérgio Moro

Publicado em 11/06/2019 16:08 e atualizado em 11/06/2019 21:41
3346 exibições
Oposição pode até endurecer discurso contra Sérgio Moro e a Lava Jato, mas a população brasileira já entendeu que o combate a corrupção deve ser prioridade
Álvaro Dias - Senador Podemos-PR

Podcast

Entrevista com Álvaro Dias - Senador Podemos-PR sobre o Vazamento de conversa de Moro

Download

 

LOGO nalogo

Nesta terça-feira (11), o senador Álvaro Dias (Podemos-PR) conversou com o Notícias Agrícolas e manifestou seus apontamentos a respeito da questão relacionada ao vazamento de conversas entre o Ministro da Justiça, Sérgio Moro, e Deltan Dallagnol.

Para ele, o que houve foi uma invasão criminosa de um espaço de privacidade relacionado à comunicação pessoal. O senador acredita que deve-se abrir uma investigação para apuração dos fatos e responsabilização dos responsáveis.

Ele também acredita que esse processo não deve afetar a continuidade da Lava Jato e também se posiciona contra a instalação de uma CPI para investigar Moro. Para ele, o teor da conversa não depõe contra a honra de ambos.

Dias ainda salienta que o crime de invasão de privacidade, na sua visão, não pode sustentar uma decisão de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Acompanhe a entrevista completa no vídeo acima

Leia mais: Moro irá à CCJ do Senado na quarta-feira da próxima semana, diz Alcolumbre

Bolsonaro compara Previdência a batalha da Guerra do Paraguai e exalta "almirante" Guedes

.
  • SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro comparou nesta terça-feira a reforma da Previdência com a batalha naval de Riachuelo, decisiva na Guerra do Paraguai, travada no Século 19, e disse estar confiante que sairá vitorioso graças ao ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem chamou de "almirante".

Em discurso para empresários na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Bolsonaro fez uma defesa enfática da necessidade da reforma da Previdência e, ao reiterar o anúncio feito mais cedo de que a Petrobras reduzirá o preço da gasolina, voltou a dizer que não interfere na política de preços da estatal.

"E hoje de manhã, Paulo Guedes, estivemos juntos na Marinha do Brasil, lá em Brasília, batalha naval de Riachuelo... que definiu a Guerra da Tríplice Aliança. E hoje, Paulo Guedes, lá (na batalha de Riachuelo) o almirante Barroso, e hoje temos uma batalha que está para acontecer, a batalha da Nova Previdência. E eu tenho certeza da vitória porque tenho ao meu lado, não o economista, mas o almirante Paulo Guedes", discursou o presidente.

"Inclusive hoje o presidente da Petrobras anuncia logo mais uma redução de 3% no preço da gasolina", acrescentou, repetindo o anúncio que fez mais cedo pelo Twitter.

"Nunca teve e nunca terá qualquer influência do Executivo na política de preços da Petrobras", assegurou.

Fonte: Notícias Agrícolas/Reuters;

1 comentário

  • Mauro Santos -

    O presidente do STF Dias Toffoli e o ministro Alexandre de Moraes tocaram aquele "Inquérito Único" para apurar as supostas fakes news, ameaçando internautas usando a Política Federal como objeto de coação. Os meios de comunicação ficaram em silêncio - uma subserviência implícita - só se manifestaram no episódio da Revista Crusoé.
    Portanto, alguém dos meios de comunicação ou da Câmara dos Deputados Federais pediu que o presidente do STF renunciasse o cargo? Não.
    Exceto o senador Alessandro Vieira que protocolou os pedidos de impeachment da dupla de criminosos, porque o que fizeram com a Crusoé a história nunca vai esquecer.

    0