A conta do Covid está chegando, os juros vão subir e o apoio a Bolsonaro será colocado à prova

Publicado em 16/10/2020 18:13 e atualizado em 19/10/2020 09:28 3531 exibições
Antônio da Luz - Economista - FARSUL
Entrevista com Antônio da Luz - Economista-chefe da Farsul (Federação de Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Sul)

 

Podcast

Entrevista com Antônio da Luz - Economista - FARSUL sobre a Economia

Download

 

LOGO nalogo

"É a economia, estúpido!"... A frase famosa é atribuída ao marqueteiro James Carville, que assessorou Bill Clinton nas eleições dos EUA de 2019, apostando que George Bush (pai) não era invencível com o país em recessão e cunhou a frase que virou case de marketing eleitoral.

Novamente a lógica está de volta, mas em sentido inverso no Brasl atual. Será ela responsável por abalar a confiança da maioria da população no Governo Bolsonaro? (aprovado atualmente por 67% da população, na soma de ótimo+bom+regular). 

Levamos a questão a Antonio da Luz, economista-chefe da Farsul (RS), e um dos participantes da pequisa Focus (elaborada semanalmente pelo Banco Central entre integrantes do mercado economico), que em entrevista ao NA diz, em síntese, para os produtores se prepararem para anos dificeis pela frente.

A causa já é conhecida: os gastos de R$ 200 bilhões feitos pelo Governo Federal para o enfrentamento da epidemia do Coronavirus (além do que o País deixou de arrecadar nesses 8 meses de pandemia).

A maior parte do dinheiro foi colocado diretamente nas mãos da população mais carente que, através do auxilio emergencial de R$ 600,00 usou o recurso para gastos com alimentação e pequenos investimentos (como reforma de moradias). O auxilio atuou como forte injeção na economia, principalmente no Nordeste, onde o índice de aprovação do Governo foi às alturas...

Mas agora a conta chegou. A prova são as taxas de juros que mostram tendencia cada vez mais crescentes. E o Governo Bolsonaro se vê diante de um dilema: manter o auxilio sem furar o teto de gastos do orçamento (lei de Responsabilidade fiscal) e recorrrer a emprestimos bancários e tentar controlar a espiral inflacionária.

--"O IGPM (Índice Geral de Preços do Mercado) mostra um salto de 18%, resultado do aumento dos custos de produção, puxado pelas exportações, pelo cambio alto, pelo consumo alto. Consequencia: tem uma onda de juros altos vindos aí", alerta o economista Antonio da Luz (acompanhe na entrevista acima).

Leia mais:

Maia nega extensão de calamidade pública; diz que regulamentar teto de gastos é mais importante que renda mínima

Guedes: não desisti de imposto sobre transações e governo não estenderá auxílio emergencial em 2021

Aprovação do governo entre beneficiários do auxílio emergencial é de 55% (PoderData)

Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

3 comentários

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Antonio da Luz e João Batista Olivi, parabéns pela coragem de tocar nesses assuntos e pela forma que fizeram, foi excelente. Além do que foi abordado ainda há outro problema, o prejuizo dos investidores em LTN devido ao deságio exigido pelos compradores. O governo não tem como se financiar, e entramos na era do Bolsonaro paz e amor, aconselhado pelos milicos Braga Neto, Ramos e Jorge Oliveira. Ninguém toca mais no verdadeiro problema, que acredito, Antonio, é o principal hoje: a remuneração dos funcionários públicos e a manutenção da máquina... Então gostaria de saber, incluidos esses assuntos que citei anteriormente, qual a opinião de voces sobre as reformas administrativa e tributária... Voces acreditam que o centrão fisiológico, incluido aí a bancada ruralista e também a FPA, vão cumprir sua parte no acordo e aprovar as reformas que o Brasil e os brasileiros precisam? Ou, como é dito na linguagem popular... vão deixar o presidente pendurado na broxa? Já há uns bons seis meses tentamos alertar o presidente para isso... Abraços e obrigado.

    8
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Todas as ações do governo para minimizar o lockdown imposto por governadores e prefeitos de todo o Brasil, são medidas econômicas da cartilha keynesiana, e aumento de juros e inflação são obrigatórios da doutrina. ... ... Mas continuo acreditando no Ministro PAULO GUEDES ... & ... acho que ele vai tirar algumas cartas da manga para minimizar esses aumentos !!! ... ...

      8
  • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

    A pandemia do covid 19, e o covidao, jogou a pá de cal no Brasil (governo), a economia se adapta e segue em frente, porem os politicos atuais (prefeitos, vereadores, deputados, senadores, governadores, e a cúpula do judiciario) praticamente cometeram suicidio, e com exceçao do judiciario, serao varridos do mapa..., eu, por exemplo, nao me darei ao trabalho de ir votar nessa e nas proximas eleicoes..., pra que acreditar, nos iludir que podera mudar, melhorar a honestidade, competencia, visao de futuro grandioso, etc... como minha vó sempre dizia, só muda a coleira...

    4
  • Washington Campos Morada Nova de Minas - MG

    Dizem que o gasto do governo com o auxílio emergencial é causa de aumentar os juros. Está na hora do oligopólio bancário pagar essa conta. Bolsonaro tem Paulo Guedes como companheiro de farda nesta luta? Esse oligopólio tira do sistema produtivo 100 bilhões de lucro por ano. Isso sem contar as empresas que eles tem. Paulo Guedes está do lado do povo ou dos banqueiros?. Os parlamentares estão do lado que pagam mais, dos bancos!

    1
    • Tiago Pandolfo Balsas - MA

      Pra variar, excelente análise do Antônio da Luz. Ano de se capitalizar!

      1