Decisão de Bolsonaro foi oportuna e no sentido de evitar disturbios no País, analisa Paulo Moura

Publicado em 22/02/2021 16:06 556 exibições
Tempo & Dinheiro - Com João Batista Olivi

Bolsonaro diz que preço dos combustíveis pode cair 10% com mudança em impostos

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou a apoiadores nesta segunda-feira que é possível reduzir em 10% o preço dos combustíveis intervindo na bitributação e em mudanças no ICMS.

"Os impostos (no preço dos combustíveis) são bitributados, incidem sobre o preço na refinaria, nos postos e em cima do próprio ICMS. Se jogar só em cima disso, reduz 10% o preço dos combustíveis e vários organismos do governo não fazem nada. No fundo, ninguém fazia nada. Eu descobri tudo isso sozinho", criticou Bolsonaro em conversa com apoiadores ao deixar o Palácio da Alvorada.

O presidente quer alterar a forma de cobrança do ICMS, um imposto estadual, para que não seja mais cobrado na bomba, mas nas refinarias. O governo enviou há 10 dias um projecto de lei sobre o tema ao Congresso, mas a mudança enfrenta resistência dos governadores, já que vários Estados perderiam receita.

Com as ações da Petrobras --e de outras estatais-- desabando na bolsa de valores desde a abertura do mercado nesta segunda após, na sexta, Bolsonaro indicar o general Joaquim Silva e Luna para o comando da Petrobras no lugar de Roberto Castello Branco, o presidente voltou a afirmar que outras mudanças serão feitas e criticou a política de preços da petroleira e o mercado financeiro.

"Mudanças teremos no governo sempre que se fizer necessária, não tenho preocupação nenhuma outra a não ser atender o interesse público. Transparência e previsibilidade acima de tudo", disse o presidente, que voltou a criticar Castello Branco, a quem acusou de receber um salário alto e "sem trabalhar".

Pela idade, Castello Branco é considerado grupo de risco para a Covid-19 e, assim como a maior parte dos diretores da Petrobras, está trabalhando de casa desde o início da epidemia.

"É direito meu reconduzi-lo ou não. Ele não será reconduzido. Qual o problema? É sinal de que alguns do mercado financeiro estão muito felizes com a política que só tem um viés na Petrobras: atender os interesses próprios de alguns grupos no Brasil. Nada mais que isso", disse Bolsonaro.

"Ninguém quer perseguir servidor, muito pelo contrário, precisamos prestigiar servidores. Agora, o petróleo é nosso ou é de um pequeno grupo no Brasil?", disse Bolsonaro depois de dizer que os servidores da empresa estão trabalhando em um ritmo "diferenciado".

Bolsonaro voltou a dizer que não vai interferir na política de preços da Petrobras. Lembrou que na semana passada, a estatal reajustou em 10,2% o valor da gasolina e 15,2% do diesel nas refinarias, e o governo não reverteu o reajuste.

Em meio à crise econômica e ameaças constantes de greves de caminhoneiros, Bolsonaro tenta conter os reajustes, que já passam de 30% neste ano.

O presidente questionou mais uma vez o porquê dos reajustes e reclamou que não há transparência na Petrobras.

"Ninguém vai interferir na política de preços da Petrobras. Eu não consigo entender em um prazo de duas semanas ter uma variação do diesel de 15%. Não foi essa a variação do dólar aqui dentro nem no preço do barril lá fora. Então tem coisa aí que tem que ser explicada", disse.

Bolsonaro anuncia para 4ª feira a sanção da autonomia do Banco Central

Posta foto com Guedes e Campos Neto; Informação foi divulgada via Facebook (no Poder360)

Em meio à queda nas ações da Petrobras e outras estatais, o presidente Jair Bolsonaro anunciou para 4ª feira (22.fev.2021) a sanção do texto que dá autonomia ao Banco Central.

A informação consta em postagem feita no Facebook. Junto ao texto, Bolsonaro divulgou uma foto dele com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Além da sanção da autonomia do BC, haverá cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília, para a posse do deputado João Roma (Republicanos-BA) como ministro da Cidadania e de Onyx Lorenzoni, que era o titular da pasta e agora será secretário-geral da Presidência. Ambos já foram nomeados para os novos cargos.

Na web, bolsonaristas se unem para defender presidente pós-troca na Petrobras

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de fazer a troca no comando da Petrobras está chamando mais atenção da opinião pública digital nesta 2ª feira (22.fev.2011) do que a perda de R$ 91 bilhões em valor de mercado registrada em 9 de março do ano passado, 2 dias antes da decretação da pandemia de covid-19 pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Em março, a preocupação estava relacionada com a potencial guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia. As ações da empresa caíram 28,5% em março passado e hoje, até as 11h30, a queda estava em 20%.

Nas últimas 72 horas, os bolsonaristas voltaram a se reagrupar numa estratégia de defesa do presidente em torno de uma narrativa: os seguidos aumentos dos combustíveis no meio da pandemia determinaram a queda de Roberto Castello Branco.

Os últimos 3 dias representaram 8,5% do volume de posts no Twitter publicados no mundo sobre a Petrobras desde março passado. No Facebook, foram 16.000 publicações nesse intervalo (21% do volume dos últimos 12 meses).

Os bolsonaristas estão incentivando a distribuição de um vídeo no YouTube no qual o presidente diz que a sociedade precisa ter mais informação sobre a formação de preços da gasolina no Brasil e se diz preocupado com grupos criminosos no comando de postos de gasolina pelo país.

Nas últimas 24 horas, duas buscas estão crescendo no Google em torno da pergunta: por que a gasolina é tão cara no Brasil?

No Facebook, por exemplo, entre os 10 posts com a maior taxa de compartilhamentos, quando o dono de um perfil traz para dentro de sua rede de amigos o conteúdo de outro agente digital, os 4 primeiros trazem a versão do próprio presidente e de aliados, como as deputadas Bia Kicis (PSL-DF) e Carla Zambelli (PSL-SP).

Os conteúdos até agora com maior volume de interações no Facebook e no Instagram reforçam a narrativa bolsonarista. No Twitter há equilíbrio entre críticos e aliados do presidente.

Em inglês, foram publicados 391 artigos desde 6ª feira (18.fev) em torno do imbróglio com baixa taxa de interações. No Brasil foram 4.600 artigos tratando da troca na companhia. E aquele de maior propagação, editado por uma página bolsonarista, traz a narrativa da alta dos combustíveis com 71.000 interações.

Esse fenômeno é padrão no universo bolsonarista. Quando está sob ataque, especialmente da oposição, Bolsonaro consegue reagrupar seus aliados em torno de uma agenda comum. Na falta de uma estratégia de contenção digital mais estruturada das lideranças de oposição, a narrativa dos aliados do presidente consegue fluir com maior intensidade junto à opinião pública digital. 

Fonte:
NotíciasAgrícolasPoder360Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário