Índios Paresi em MT iniciam plantio da soja após suspensão do embargo à produção agrícola nas terras indígenas

Publicado em 03/10/2019 14:31 3281 exibições
Ronaldo Zokezomaiake - Presidente Coopihanama
Já são cerca de 300 ha plantados de soa num total de 3,5 mil ha estimados para esta safra. Os elevados custos reduziram a área de soja pela metade, mas outras culturas como feijão mungo e milho devem ter suas áreas ampliadas

Podcast

Entrevista com Ronaldo Zokezomaiake - Presidente Coopihanama sobre o Ibama suspende embargos as áreas indígenas

Download

LOGO nalogo

O Notícias Agrícolas conversou nesta quinta-feira (3) com Ronaldo Zokezomaiake - Presidente da Coopihanama, (cooperativa formada pelos indígenas em Campo Novo dos Parecis, em MT) sobre a suspensão do embargo à produção agrícola em seu território. A etnia Parecis possui uma enorme reserva no munipio de Campo Novo, com área de 1 milhão de hectares, mas estava proibida de plantar nessas terras apesar de já terem experiencia e condições de produzir soja e milho.

Com envolvimento direto do presidente Jair Bolsonaro, o novo Governo conseguiu reverter uma determinação da Funai que proibia que indígenas utilizassem suas terras para a produção agrícola. Após um Termo de Ajustamento de Condutas (TAC) assinado pelos Parecis junto a três órgãos federais (Ministério Público Federal, Funai e o Ibama) os indigenas conseguiram suspender o embargo, posibilitando a atividade agrícola em 22 mil hectares, divididos em cinco glebas. 

Segundo Ronaldo, os indígenas esperavam essa decisão para iniciar o plantio da safra 2019/2020. "Caso não houvessse estaria inviabilizando nossa safra e posteriormente a safrinha. Estamos bastante contentes e bastante ansiosos com essa medida que foi tomada por parte do governo, reconhecendo que eles entenderam que nós também fazemos parte do desenvolvimento econômico", afirma. 

Até esta quinta-feira os Parecis já tinham plantado cerca de 300 ha com soja, num total de 3,5 mil ha estimados para esta safra. Segundo ele, os custos elevados reduziram a área de soja pela metade. "Isso não dá segurança e nossas áreas ainda são fracas de nutrientes", comenta. Além da soja a expectativa é que outras culturas como milho e feijão mungo  sejam plantadas na região, totalizando 19 mil hectares. 

 Zokezomaiake afirma que, com as novas medidas, os índios precisarão estar mais atentos e trabalhar de forma cautelosa principalmente com as questões ambientais. "Cumprir com as regras do TAC e estar sempre atento com as demais medidas que foram colocadas através do poder pública", diz. 

Segundo ele, outra grande mudança na TAC é que a partir de agora os índios poderão comercializar diretamente com os agentes credenciados, que antes era feito através de terceiros, por exemplo. "Tendo caráter legal nós podemos fazer qualquer tipo de comercialização junto aos órgãos credenciados como bancos ou empresas que façam financiamentos diretos para os produtos", afirma. 

Confira a entrevista completa no vídeo acima

Por:
Aleksander Horta e Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Importantíssimo para o aculturamento dos indios. Integração econômica...., sem ela o aculturamento ficará só na intençao.

    2