Consultoria estima perdas de 5 milhões de toneladas de soja na Argentina e prejuízos podem ser maiores

Publicado em 11/01/2017 11:54 e atualizado em 11/01/2017 16:43
5978 exibições
Além das perdas provocadas pelo excesso de chuva na Argentina, produtores tem apenas 10 dias para concluir plantio em área de 2 milhões de hectares, o que pode acarretar novos prejuízos para produção
Confira a entrevista de Pablo Adreani - AgriPAC - Argentina

Na Argentina, o clima tem prejudicado a safra de grãos, com intensos volumes de chuva que causam inundações na zona núcleo produtora do país. Os analistas de mercado já começam a apontar as condições de preocupação que fazem os preços da soja subirem em Chicago.

De acordo com Pablo Adreani, consultor da AgriPAC, a situação está muito complicada no país. Até o momento, a zona núcleo já recebeu, no acumulado, mais de 400mm de chuvas nos últimos 30 dias, o que representa 40% a 50% da média de chuvas para todo o ano.

As principais regiões atingidas são o sul e o centro de Santa Fe, o oeste de Buenos Aires e o sudeste de Córdoba. A soja de primeira e segunda etapa de plantio atravessa uma situação complicada, com muitos plantios inundados e uma área de 2 milhões de hectares ainda sem plantar. Se não houver condições climáticas melhores para os próximos dias, será difícil de cumprir esse plantio, como avalia o consultor. Ele lembra que a cultura da soja sofre mais do que a cultura do milho por ser mais baixa.

Sem considerar a área ainda não plantada, as perdas podem chegar a 5 milhões de toneladas, caso o clima se normalize a partir de agora. Mas se esses hectares que não estão plantados não cheguem a receber soja, a Argentina poderá ter uma redução de até 7 milhões de toneladas na estimativa para a safra, que é de 55 milhões de toneladas. Um aumento da safra de soja no Brasil, conforme estimou a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), pode compensar em parte a perda, mas um ganho de 1,5 milhões de toneladas no Brasil em relação às primeiras projeções,  não é suficiente para cobrir o buraco argentino - além disso, o Matopiba ainda possui situação indefinida a respeito da safra de soja.

Com isso, as comercializações na Argentina estão paradas, de acordo com Pablo. Até que o clima não melhore, o produtor não deve vender . Ele destaca que o mercado internacional ainda não tem consciência da gravidade da safra na Argentina, uma vez que ainda não reflete totalmente a situação nos preços. Pablo acredita que, daqui para a frente, o mercado tem mais a subir do que abaixar os preços mundiais.

O volume de venda da soja da nova safra na Argentina está entre 3 a 4 milhões de toneladas. A maior parte do volume foi vendida antes das chuvas.

O consultor aponta que uma visão mais clara do que será a produção na Argentina deverá vir a partir de 20 de janeiro. "Se vier um bom clima, os produtores poderão ter esperanças", destaca.

Veja ainda:

>> Governo da Argentina vê queda na safra de soja 16/17; prevê aumento para milho

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário