Aprosoja MS estima queda de 11% na produtividade com relação à safra passada

Publicado em 08/01/2019 14:22 e atualizado em 08/01/2019 15:03
1325 exibições
As primeiras lavouras colhidas apresentam mais problemas, mas chuvas dos últimos dias melhoraram condições das plantações mais tardias, deixando expectativa da produtividade 11% menor do que as 59 sacas registradas na safra 2017/18.
Juliano Schmaedecke - Presidente Aprosoja MS

Podcast

Acompanhamento de Safra da Soja - Juliano Schmaedecke - Presidente Aprosoja MS

Download

LOGO nalogo

O estado do Mato Grosso do Sul já está realizando colheitas de soja nas plantações mais antecipadas, que foram justamente as mais afetadas pela seca que aconteceu em dezembro e deixou algumas localidades do estado com até 35 dias sem chuvas. Porém, as chuvas retornaram nos últimos dias e as lavouras mais tardias conseguiram se desenvolver um pouco melhor, deixando a expectativa de diminuição da produtividade sul mato-grossense em 11% do relação à safra passada.

“A seca pegou muito algumas áreas e com a chuva precisamos ver o que vai se recuperar dessas áreas. É um ano muito difícil de verificar a perda, a Aprosoja hoje está com 11% de quebra com uma safra talvez na ordem de 8,9 milhões de toneladas. Isso em cima da safra passada que ficou 59 sacas por hectare”, diz Juliano Schmaedecke, presidente da Aprosoja MS.

Apesar de ruim, esse cenário não é tão negativo quanto o que era esperado para o estado no auge da seca no mês de dezembro. Mesmo assim, o mercado da soja no Mato Grosso do Sul segue travado, com cerca de 35/40% da atual safra já negociado antecipadamente e o restante dos produtores aguardando melhores janelas de negociação.

“É um ano mais difícil de se falar de negócios porque se tem a questão dos Estados Unidos e da China, muita soja estocada nos EUA e, mesmo essa quebra no Brasil de safra no Paraná e outros estados, não está impactando em muita coisa com repercussão no mercado”, afirma Schmaedecke.

Confira a entrevista completa no vídeo.

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário