Aprosoja Maranhão já estima em 15% queda na produtividade da safra de soja devido à falta de chuvas

Publicado em 14/01/2019 11:18 e atualizado em 14/01/2019 14:32
668 exibições
Com regiões entre 22 e 35 dias sem chuvas, estado deve ter produtividade da soja abaixo das 52 sacas por hectare registradas na safra 2017/18. Mercado travado e má condição das estradas também preocupam os produtores maranhenses.
José Carlos Oliveira de Paula - Presidente da Aprosoja MA

Podcast

Entrevista com José Carlos Oliveira de Paula - Presidente da Aprosoja MA sobre o Acompanhamento de Safra da Soja

Download

LOGO nalogo

Assim como em outras localidades do Brasil, o Maranhão também sofre com a estiagem que prejudica o melhor desenvolvimento das lavouras de soja. Com regiões entre 22 e 35 dias sem chuvas, o estado já começa a contabilizar as possíveis perdas na produtividade da safra 2018/19, que deve ter sua colheita iniciada dentro dos próximos 20 dias.

“Além das temperaturas elevadas, não houve chuvas em diversas regiões. Nós fizemos uma reunião e levantamos alguns dados que apontam em torno de 15% de perda na produtividade, que na safra passada ficou em média 52 sacas por hectare”, diz José Carlos Oliveira de Paula, presidente da Aprosoja do Maranhão.

Neste cenário de incertezas quanto ao nível da produção estadual, o mercado para a soja no Maranhão segue travado, sem grandes possibilidades de negociações entre produtores e empresas compradoras. “O mercado está totalmente travado, porque muitas empresas estão com medo de que produtor não consiga cumprir os contratos e o agricultor está sempre aguardando para ver a sua produção e comercializar”, comenta de Paula.

Outro aspecto que deixa o produtor maranhense apreensivo é a possibilidade de enfrentar dificuldades para fechar a conta nessa safra e conseguir escoar a produção da melhor maneira. “O nosso problema maior são os custos que não vão cobrir com essa produção e o preço que está em torno de R$ 67,00. Além disso, nas estradas hoje estamos sem condições de transitar com caminhões rodados e o frete nosso subiu mais do que 25%”, afirma o presidente da Aprosoja MA.  

Confira a entrevista completa no vídeo.

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário